Consumo: mudam-se os tempos… e as receitas

  • Bloomberg
  • 14 Março 2017

Em 2016, cerca de 102 marcas reformularam cerca de 180.000 produtos para os tornarem mais saudáveis, uma condição se quiserem continuar a... vender.

Os fabricantes mundiais de bens de consumo reduziram em cerca de 20% a percentagem de ingredientes como açúcar e sal de seus produtos em 2016: tudo porque os consumidores estão, cada vez mais, a comprar marcas mais saudáveis.

Uma pesquisa que incluiu 102 empresas, entre elas a Nestlé e a Procter & Gamble, concluiu que 180.000 produtos foram reformulados em 2016, segundo um relatório do Consumer Goods Forum. O número reflete cerca do dobro das alterações no ano anterior.

“As grandes empresas de consumo estão a reagir às pressões da concorrência”, disse Peter Freedman, diretor administrativo da associação do setor, em entrevista à Bloomberg. “O crescimento da indústria vem de startups pequenas com portefólios de produtos com uma abordagem mais saudável.”

Os maiores produtores estão a perder a quota de mercado para marcas menores e locais que conseguem capitalizar a preferência cada vez maior do comprador por produtos mais saudáveis e mais sustentáveis. O crescimento orgânico das empresas globais de consumo caiu para menos de 3% nos últimos três anos, segundo analistas do Credit Suisse. A oferta de 143 mil milhões de dólares da Kraft Heinz para comprar a Unilever acentuou a pressão sobre as empresas para reverter o mal-estar do setor.

Além da mudança nos gostos dos consumidores, soma-se o fato de os governos estarem a tentar combater os produtos que fazem mal à saúde. Em março, o Reino Unido imitou o México e criou um imposto para bebidas açucaradas na tentativa de reduzir a obesidade. No ano passado, a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) anunciou que as empresas teriam que ter rótulos com informações mais detalhadas sobre o conteúdo de açúcar dos produtos.

Menos sal

Depois de não conseguir cumprir as metas internas, a Nestlé disse que encontrou uma maneira de reduzir em até 40% a quantidade de açúcar no chocolate e que diminuirá em 10% a quantidade de açúcar nos doces vendidos pela empresa no Reino Unido e na Irlanda já no próximo ano. A Mars disse que 99% de seus produtos contêm menos de 250 calorias por porção.

“As forças do mercado estão a empurrar as coisas para o caminho certo e mais mudanças virão”, disse Freedman. “Os produtos terão menos sal, menos açúcar e menos calorias.”

O Consumer Goods Forum é uma associação do setor composta por cerca de 400 fabricantes e fornecedores de serviços ao consumidor.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Consumo: mudam-se os tempos… e as receitas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião