Criação de emprego vai continuar a aumentar a partir de abril

  • Marta Santos Silva
  • 14 Março 2017

Os empregadores portugueses esperam continuar a contratar a partir da primavera, com boas perspetivas em todos os setores. A região Sul é a que prevê o maior volume de contratação.

A criação de emprego vai continuar a aumentar em abril: espera-se que, no segundo trimestre de 2017, haja um aumento de 10% da criação líquida de emprego, um aumento duas vezes superior ao que estava previsto para janeiro, fevereiro e março. As projeções são da ManpowerGroup, cujo Employment Outlook Survey, divulgado esta terça-feira, antevê ainda que as grandes empresas em Portugal aumentem a criação de emprego em 18% este trimestre, sobretudo na região Sul.

Entre os empregadores sondados pela ManpowerGroup, 81% previam manter o seu volume de contratação atual, 12% antecipavam aumentá-la e 2% apontavam para uma redução. É uma projeção mais otimista do que no início do ano — quando já era positiva — e que se espera que venha a ter outros impactos positivos.

“O Manpower Employment Outlook Survey projeta, para o segundo trimestre de 2017, que continuaremos a assistir a uma tendência positiva no mundo do trabalho em Portugal”, afirma Nuno Gameiro, country manager da ManpowerGroup Portugal, no comunicado da empresa. “A criação líquida de emprego vai aumentar 10%, o que certamente terá um efeito positivo no consumo privado, com impacto direto na economia nacional”, garante. “Se a esta projeção juntarmos a análise ao comportamento das taxas de juro comunicadas pelo Banco Central Europeu, podemos esperar que exista um efeito positivo no crescimento do nosso Produto Interno Bruto”, acrescenta.

Finanças e Seguros são dos setores mais positivos

Anteveem-se melhorias na contratação em todos os setores, mas as mais significativas surgirão no setor das Finanças, Seguros, Imobiliário e serviços, onde “a criação líquida de emprego é de 19%”. E onde é que as perspetivas são menos assinaláveis? Nos setores da Indústria e Público, onde os aumentos serão de 2% e 4%, respetivamente. Entre o máximo e o mínimo encontram-se expectativas de subida na Construção (12%) ou no Comércio Grossista e Retalhista (13%).

Comparativamente com os primeiros três meses do ano, o período de abril a junho deverá ser marcadamente melhor para a maioria do setores, incluindo no Fornecimento de Eletricidade, Gás e Água onde se regista um aumento de 12 pontos percentuais em comparação. Mas há dois setores onde as perspetivas de contratação são mais modestas, incluindo o dos Transportes, Logística e Comunicações.

“Quando comparado com as projeções para o último trimestre, a criação de emprego vai crescer ao dobro da velocidade, e a sazonalidade explica a mudança nos setores que esperam criar mais empregos”, acrescenta ainda Nuno Gameiro.

As grandes e médias empresas preveem os aumentos mais acentuados no seu volume de contratações, enquanto as pequenas e microempresas anteveem aumentos mais modestos, mas também eles positivos.

Um mau momento para o Brasil

Já fora de Portugal, entre os 43 países onde decorreram sondagens da ManpowerGroup, a expectativa também é maioritariamente positiva. Em 39 dos 43 países que participam, a contratação deverá aumentar ou manter-se estável, com oportunidades parecidas às do primeiro trimestre. As melhores perspetivas registam-se em Taiwan, com previsão de aumento de 24%, no Japão, 23%, na Eslovénia, 22%, e também na Índia onde a expectativa é um aumento de 18%.

Já piores destinos para quem procura emprego são a Suíça e Bélgica, onde não se preveem aumentos, e a Itália e o Brasil, onde se preveem reduções na contratação. Em Itália, o corte antecipado é de 2% e no Brasil espera-se uma queda de 4%.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Criação de emprego vai continuar a aumentar a partir de abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião