CGD já arrancou com emissão de dívida

Paulo Macedo tinha dito que ia arrancar em breve com a emissão de dívida subordinada. Já está no mercado a fazê-lo. Contratou bancos para um roadshow que arranca dia 20.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) já está no mercado para realizar a emissão de dívida subordinada prevista no âmbito do programa de recapitalização. O banco estatal, liderado por Paulo Macedo, já contratou os bancos para um roadshow que terá início a 20 de março, a próxima segunda-feira.

Segundo a Bloomberg, o banco mandatou cinco bancos de investimento para esta primeira de duas tranches de dívida de elevada subordinação necessária para reforçar os rácios de capital. CaixaBI, Barclays, Citi, Deutsche Bank e JPMorgan vão promover a emissão da CGD no valor de 500 milhões de euros.

A CGD tem de atrair investidores institucionais para esta dívida. E Paulo Macedo está otimista quanto ao sucesso da operação. “Se não houver nenhuma alteração radical — apesar das eleições [na Europa] e da volatilidade — a emissão será feita com êxito”, disse o responsável na apresentação das contas de 2016 em que o banco registou os maiores prejuízos de sempre. E voltou hoje a reforçar este otimismo. “Há um ambiente muito positivo em torno desta operação. Estamos confiantes“, disse o gestor aos jornalistas, à margem da atribuição dos prémios de empreendedorismo da CGD, em Lisboa, onde destacou a forte procura de investidores institucionais.

“Vamos realizar a emissão de dívida altamente subordinada de 500 milhões de euros até ao final de março e depois temos de fazer uma emissão adicional de 430 milhões num prazo de 18 meses”, revelou Paulo Macedo na apresentação dos resultados. Agora, a CGD já está no mercado para colocar estes títulos que tendo em conta o elevado risco que acarretam, têm taxas elevadas.

A CGD vai colocar estes títulos perpétuos com um cupão de 5,125%, de acordo com a informação avançada pela Bloomberg, que cita um fonte próxima da operação que não quis ser identificada. E esta emissão será feita através do Luxemburgo, avança o Expresso na sua edição diária (acesso pago), para ser mais rápida, já que neste país o nível de exigência em termos de informação a prestar em operações deste tipo é muito menos apertado do que o exigidos pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Este é o cupão, mas o custo para o banco deverá ser mais próximo dos 10%. Como? Terá de vender os títulos com um valor inferior ao par, ou seja, aquém dos 100.

“Só emite dívida subordinada quem tem de emitir. Porque é uma dívida que tem características de remuneração elevadas e que pesa no balanço dos bancos”, explica o gestor na apresentação de contas. Tendo em conta o nível de risco destes títulos, o rating desta emissão deverá ser de “B-“, sendo atribuído pela Fitch. Ou seja, é “lixo”.

(Notícia atualizada às 20h51 com declarações de Paulo Macedo)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD já arrancou com emissão de dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião