Cavaco Silva: “Só se Portugal enlouquecesse é que saía da zona do euro”

  • ECO
  • 19 Março 2017

Para Cavaco Silva, só a Alemanha poderia sair sem grandes custos da zona euro. No entanto, não o faria "porque o marco valorizar-se-ia imediatamente".

Cavaco Silva não prevê “o desmoronamento do euro” e salienta que a maior parte dos políticos que defendem essa opção “ignoram as consequências”.

“Quanto ao desmoronamento, queria já agora explicar: eu acho que não se vai desmoronar a zona do euro, porque qualquer governo com o mínimo de bom senso que à sexta-feira pense em tirar o seu país do euro, no domingo entra em pânico sobre aquilo que acontece na segunda-feira”, afirmou o antigo Presidente da República em entrevista ao Público (acesso pago).

“A maior parte dos políticos por essa Europa fora e em Portugal que falam na retirada do seu país da zona euro eu acho que ignoram as dificuldades e ignoram as consequências”, acrescenta.

Para ilustrar as consequências no caso de Portugal, o ex-chefe de Estado cita as conclusões de um economista francês, Jean Pisani-Ferry, a propósito da Grécia: “a situação seria financeiramente caótica, socialmente devastadora e economicamente ruinosa”. “Estou convencido que Portugal será membro da união monetária, da zona do euro, enquanto ela existir, porque eu não prevejo que Portugal enlouqueça — porque só se Portugal enlouquecesse é que saía da zona do euro“, remata.

Num cenário destes, o país regressaria à moeda própria: “o escudo não é uma moeda aceite nas transações internacionais; uma moeda que não é aceite nas transações internacionais suporta o custo de transformação da sua moeda nas outras, um custo de transação e a incerteza cambial; como há uma incerteza cambial, as taxas de juro que esse país suporta são elevadíssimas”, diz.

“Há políticos que olham para a zona do euro e dizem que a zona do euro é a bruxa má, quando deviam agradecer as taxas de juro que este momento pagam em resultado da política seguida pelo BCE. De acordo com as contas da Comissão, só em juros da dívida pública o conjunto dos países da zona euro já poupou cinquenta mil milhões de euros”, adianta ainda Cavaco Silva.

 

Portanto, para o antigo Presidente, estão em causa “coisas óbvias”, ou seja, “só um enlouquecimento da parte de Portugal é que podia levar a que os políticos perdessem o pavor que devem ter, se forem responsáveis em relação ao dia seguinte”. Só a Alemanha poderia sair sem grandes custos da zona euro, mas não o faria “porque o marco valorizar-se-ia imediatamente”, declara.

Nesta segunda parte da entrevista — a primeira foi publicada no sábado –, Cavaco Silva também frisa que a saída do Reino Unido da União Europeia tem custos para os dois lados. No caso do Reino Unido, aponta a dificuldade em defender interesses na cena internacional; já a UE “perde um parceiro importante, que tem algumas especificidades únicas”. “É o que acontece em matéria de serviços financeiros. Todos sabemos que é um dos países mais desenvolvidos na área dos serviços financeiros, e também a capacidade militar. Quando se fala da necessidade de uma política europeia de defesa comum, a Grã-Bretanha tem uma capacidade militar e uma disponibilidade para a utilizar que os outros não têm”, acrescenta. Já “Portugal não tem razão para se preocupar mais do que se preocupa a média da UE” com o Brexit.

Questionado sobre o referendo, Cavaco Silva nota: “sou daqueles que têm alguma dúvida que numa democracia se possa decidir por um voto algo que ponha em causa os avanços institucionais, económicos, sociais alcançados durante décadas e que se lance uma carga muito forte, uma herança pesada sobre a geração futura”. E perguntou: “Costumo dizer: poder-se-ia decidir por referendo, por um voto, que se vá pôr fim à abolição da pena de morte? Que se deixe de proibir o trabalho de menores, de crianças? Há questões civilizacionais”. No caso da saída da UE, “são as gerações mais velhas que votaram claramente pela saída — que vão desaparecer não daqui a muito tempo”, concluiu o ex-chefe de Estado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cavaco Silva: “Só se Portugal enlouquecesse é que saía da zona do euro”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião