Catarina Martins: CGD deve ser “pensada para o serviço público que deve fazer”

  • Lusa
  • 20 Março 2017

A coordenadora nacional do BE mostra-se preocupada com o plano de reestruturação da CGD. Catarina Martins considera que o banco tem de ter uma estratégia de serviço publico.

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, mostrou-se hoje preocupada com o plano de reestruturação da Caixa Geral de Depósitos (CGD), considerando que o banco tem de ter uma estratégia de serviço publico.

“O que é preciso é que a Caixa seja pensada para o serviço público que deve fazer”, afirmou Catarina Martins aos jornalistas, em Viseu. Na sua opinião, a função do banco público é “servir as populações de todo o país”, o que “não quer dizer ficar tudo como está”.

“Significa que o plano de reestruturação não pode servir para tirar o acesso à CGD a partes do território. Significa que onde ela falta tem de abrir [balcões] e onde for redundante pode fechar”, frisou. A líder bloquista sublinhou que “a CGD está num processo de recapitalização que é importante para que haja um banco público forte”.

“O Governo PSD/CDS não recapitalizou a Caixa e, com isso, foi fazendo o problema aumentar. Felizmente, há agora as condições para a recapitalização pública da Caixa, mas se nós temos o banco público que é pago por todos nós, ele tem de servir todo o país e todas as populações”, considerou. Segundo Catarina Martins, o BE tinha recebido do Governo garantias de que “não haveria nenhum despedimento, quem ia sair era porque ia para a reforma ou tinha decidido sair, e que o encerramento de balcões não colocaria em causa a presença da CGD no todo do território nacional”.

“Consideramos que neste momento o plano concreto que está em cima da mesa não dá essas garantias”, explicou, acrescentando que, nesse âmbito, o BE pediu ao ministro Mário Centeno “para ir à Assembleia da República dar explicações, em comissão, sobre o que é que vai suceder à CGD”. Catarina Martins garantiu que o BE mantém duas posições de princípio: “não pode haver despedimentos e o plano de reestruturação não pode por em causa os serviços da Caixa, banco público, às populações em todo o território nacional”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catarina Martins: CGD deve ser “pensada para o serviço público que deve fazer”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião