CGD: Sindicato critica corte do número de agências

  • Lusa
  • 21 Março 2017

A Comissão dos Trabalhadores da CGD acusa o banco de "querer começar uma casa pelo telhado" ao concretizar primeiro uma reestruturação por redução de agências e só depois verificar as necessidades.

A Comissão dos Trabalhadores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) acusa o banco de “querer começar uma casa pelo telhado” ao concretizar primeiro uma restruturação por redução de custos e agências e só depois verificar as necessidades no terreno.

“Não me parece bem começar uma casa pelo telhado. O que devia ser feito era uma restruturação que implicasse primeiro ir aos locais averiguar as necessidades, ao nível da informática e métodos de organização do trabalho, e fortalecer estes aspetos, e não ao contrário: começar por fazer uma reestruturação por redução de custos e agências”, disse o coordenador da Comissão dos Trabalhadores (CT) da CGD, Jorge Canadelo, à Lusa após uma audiência com o grupo parlamentar do PCP, pedida pela própria CT para expor esta situação.

"Não me parece bem começar uma casa pelo telhado. O que devia ser feito era uma restruturação que implicasse primeiro ir aos locais averiguar as necessidades, ao nível da informática e métodos de organização do trabalho, e fortalecer estes aspetos, e não ao contrário: começar por fazer uma reestruturação por redução de custos e agências.”

Jorge Canadelo

coordenador da Comissão dos Trabalhadores da CGD

Jorge Canadelo reforçou que os trabalhadores consideram que “à cabeça” deve vir “um estudo prévio que permita dar uma fundamentação para então se fazer” a outra reestruturação. A CT reivindicou também que os quatro anos em que os trabalhadores ficaram “constrangidos” pelo programa de ajustamento contem para a carreira, em linha com o que Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD também já contestou.

Sobre a lista de agências a fechar, Jorge Canadelo reiterou hoje que a mesma está a ser reavaliada e adiantou que ainda esta semana a CT deverá reunir-se com o presidente da CGD, Paulo Macedo, para saber “a forma como a reestruturação está a ser calendarizada”. O plano de reestruturação acordado com a Comissão Europeia e divulgado na apresentação de resultados da CGD, previa que o banco público fechasse cerca de 25% dos balcões abertos ao público (com funcionários a atender clientes), passando de 651 para 470 ou 490 daqui a três anos.

Já este ano, o plano da CGD é de fechar 70 balcões, cerca de 50 no final deste mês e os restantes até final do ano. Contudo, a reavaliação da lista de agências a fechar não deverá trazer grandes alterações uma vez que esta foi negociada com Bruxelas pela anterior administração do banco público, liderada por António Domingues, e é uma das contrapartidas acordadas para que a recapitalização da CGD que está a decorrer, num montante superior a 5.000 milhões de euros, não seja considerada ajuda de Estado.

Reestruturação é “consonante com gestão”

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, afirmou hoje que a reestruturação da CGD está “consonante com a gestão de um banco” público e com o interesse nacional. Na conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros, em Sintra, a ministra referiu que “essa decisão [de reestruturação] se foi tomada pela direção, é uma decisão consonante com a gestão de um banco com esta natureza, com o interesse nacional e com o interesse dos cidadãos”.

“Como é sabido a CGD é um banco público e o acesso ao sistema financeiro e ao sistema bancário é uma condição essencial de vida, diria, tão importante como aceder às telecomunicações”, disse ainda a ministra, referindo que o assunto não foi tratado em qualquer Conselho de Ministros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD: Sindicato critica corte do número de agências

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião