CGD: “É pública, mas não deixa de ser uma empresa”

  • ECO
  • 20 Março 2017

António Costa já reagiu à polémica sobre o encerramento dos balcões da Caixa. Garante a presença do banco público em todos os concelhos.

Quando anunciou os resultados de 2016, Paulo Macedo confirmou que o plano de reestruturação acordado com Bruxelas prevê que a CGD chegue a 2020 com um número de balcões entre 470 e 490, em comparação com os atuais 651.

O banco também já disse que a CGD prevê dispensar 2.200 pessoas, o que o presidente executivo disse que se fará, através de “pré-reformas e eventualmente rescisões por mútuo acordo”.

A polémica sobre a questão do encerramento dos balcões já entrou na esfera política, e quase todos os partidos com assento no Parlamento, incluindo o PS, já vieram pedir explicações ao Governo.

Confrontado com esta questão, António Costa disse esta segunda-feira estar “totalmente confortável com a decisão, se não não teríamos aprovado o plano de reestruturação da Caixa”.

O primeiro-ministro, em declarações transmitidas pela RTP 3, à saída de uma reunião com o Conselho Nacional das Ordens Profissionais acrescentou ainda que esse “plano de reestruturação garante a presença da Caixa em todo o país e em todos os concelhos”.

Mas ressalva que o “Governo não tem que se meter na vida da Caixa, na gestão do dia-a-dia. O Governo não estaria a cumprir bem a sua função se se substituísse à gestão da Caixa no dia-a-dia, tal como não estaria se o fizesse na RTP”.

António Costa terminou dizendo que a “nova administração [de Paulo Macedo] assegura gestão profissional da Caixa”.

Questionado sobre a situação do Montepio, António Costa fugiu às perguntas e limitou-se a dizer que no seu Governo “não falamos sobre os problemas, resolvemos”.

À saída da reunião do Eurogrupo, o ministro das Finanças também foi questionado sobre a situação da Caixa e disse ser “claro que a dimensão espacial é importante, mas estou seguro que todos os portugueses terão acesso aos serviços da Caixa”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD: “É pública, mas não deixa de ser uma empresa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião