Governo coordena fundos para apostar na economia circular

  • Lusa
  • 21 Março 2017

“Devemos estar prontos a utilizar os instrumentos de que dispomos para estimular os vários setores para que possam adotar mais práticas de economia circular”, defendeu o ministro da Economia.

O ministro da Economia está a coordenar esforços para apostar na economia circular. O Executivo está a “coordenar os fundos estruturais da área da economia” para criar programas que “deem mais competitividade às empresas, fazendo-as utilizar melhor as oportunidades que há na economia circular”.

Em causa está um pacote de medidas aprovado pela Comissão Europeia superior a seis mil milhões de euros. As metas são ambiciosas, como criar 400 mil novos postos de trabalho na Europa até 2020. Bruxelas estima ainda que as medidas de prevenção de resíduos, ecodesign, reutilização e outras ações “circulares” possam vir a gerar poupanças líquidas a rondar os 600 mil milhões de euros às empresas europeias, ou seja, cerca de 8% do total do seu volume de negócios anual. Só no setor da gestão de resíduos a aposta é criar 170 mil empregos diretos, para além de reduzir dois a 4% as emissões totais anuais de gases de efeito de estufa.

“Está-se também a promover a utilização dos fundos da área do ambiente para estimular e acelerar essa mudança. O que queremos são empresas mais competitivas e mais sustentáveis em termos económicos e ambientais”, referiu o ministro.

Está-se também a promover a utilização dos fundos da área do ambiente para estimular e acelerar essa mudança. O que queremos são empresas mais competitivas e mais sustentáveis em termos económicos e ambientais.

Manuel Caldeira Cabral

Ministro da Economia

Caldeira Cabral falava no Workshop ECO.PME que juntou no Terminal de Cruzeiros de Leixões PME, em Matosinhos, ‘startups’ (novas empresas com rápido potencial de crescimento), incubadoras, investigadores e institutos públicos na discussão sobre a economia circular aplicada ao setor empresarial.

Devemos estar prontos a utilizar os instrumentos de que dispomos para estimular os vários setores para que possam adotar mais práticas de economia circular”, defendeu Caldeira Cabral.

Para isso, propôs o ministro da Economia, “é preciso obviamente estar atento em cada setor, é preciso organizar e por as empresas a cooperarem mais, é preciso criar os incentivos certos, mas é também preciso que as empresas não fiquem dependentes ou de subsídios ou apenas de boa vontade”.

Sabemos que estas duas vias são muito vulneráveis a conjunturas económicas e sabemos que têm fortes limitações. Um sistema bem montado em que a própria competitividade das empresas sai reforçada é a melhor garantia de que a economia se generaliza e que se está a criar um sistema que contribui não só para a sustentabilidade ambiental, mas que é, ele próprio, sustentável em termos económicos”, sublinhou.

Em seu entender, “a economia circular tem de facto de afetar todo o círculo do produto […] A economia circular deve começar na concessão do produto, na utilização de materiais e na inovação, criando produtos que já estão pensados não apenas para servir um determinado fim, e depois pensa-se como reciclar o que resta desses produtos”.

“É preciso obviamente reduzir a utilização de materiais, quando isso é possível, é preciso aproveitar melhor os resíduos de produção – e temos ainda muitas indústrias com uma quantidade de resíduos não aproveitados muito grande -, é preciso criar toda uma cadeia de aproveitamento”, sublinhou.

O governante realçou que a economia circular é “um dos objetivos centrais” do programa Interface, lançado há pouco mais de um mês. Segundo explicou, este programa visa utilizar melhor o conhecimento das universidades, politécnicos e centros de investigação ao serviço das empresas.

 

Em termos gerais, no âmbito da Economia Circular, a implementação de medidas adicionais para aumentar a produtividade dos recursos em 30% até 2030 poderá aumentar o PIB em cerca de 1%, criando simultaneamente mais de dois milhões de postos de trabalho em comparação com a manutenção do cenário da situação atual, segundo a Comissão Europeia.

 

Já o ministro do ambiente sublinhou que é possível “alcançar um equilíbrio entre qualidade de vida e qualidade ambiental, sem comprometer salários ou padrões sociais, implica transformar o modo como fazemos, usamos e valorizamos os bens e serviços disponíveis”.

“A essa transformação chamamos economia circular”, disse Matos Fernandes. “Numa economia circular, os produtos são concebidos com zero desperdício e eliminando componentes tóxicos, podendo integrar materiais reciclados, desenhados para que seja fácil a reparação, a separação e reciclagem, uma e outra vez”, disse o ministro do Ambiente.

Numa economia circular, os produtos são concebidos com zero desperdício e eliminando componentes tóxicos, podendo integrar materiais reciclados, desenhados para que seja fácil a reparação, a separação e reciclagem, uma e outra vez.

Matos Fernandes

Ministro do Ambiente

Sublinhou que numa economia circular, devemos “fazer mais com menos” – mas garantir que o “menos” possa voltar à fábrica e ser atualizado ou remanufaturado, e colocado, outra vez, numa circulação rentável.

“Seremos mais produtivos, vendendo a qualidade, o desempenho e a durabilidade: ganha o produtor – que reduz custos e riscos com a aquisição de materiais, rentabiliza investimento, consegue a fidelização de clientes; ganha o consumidor, que obtém o melhor desempenho, pagando efetivamente por aquilo de que necessita”, salientou.

O ministro lembrou que as PME são 98% do tecido empresarial e, por isso, “uma força motriz de crescimento e emprego. E, apesar de muitas vezes existirem dificuldades técnicas ou financeiras que adiam a visão de longo prazo, é também entre as PME que emergem os novos modelos de negócio, inovação, flexibilidade e adaptabilidade”.

“Portugal deve agarrar esta ambição e não esperar que outros o façam primeiro para irmos atrás; quem começar hoje, irá, sem dúvida, liderar no amanhã. E nós estamos a fazer esse caminho”, frisou.

Referiu que o portal eco.nomia.pt tem informação sobre as políticas, exemplos, oportunidades de financiamento e ferramentas, e quer espoletar o diálogo através destes ‘workshops’ em áreas chave – na agricultura, construção, cidades ou consumo.

Apoiamos a I&D na conceção ecológica de produtos e serviços das empresas, majorando em 110% estas despesas para efeitos de IRCO Fundo Ambiental tem assegurado um milhão de euros em 2017 para apoiar a capacitação técnica na identificação destas oportunidades, conduzindo a planos de negócio que possam ser apoiados em fases subsequentes ou por outros mecanismos financeiros”, sustentou.

Segundo Matos Fernandes, “o FITEC tem 15 milhões de euros para projetos de interface entre centros tecnológicos, universidades e empresas para também acelerar esta transição”.

“Estamos a trabalhar com os ministérios da Economia, da Agricultura e da Ciência num plano de ações concretas para o curto prazo, que possam apontar o caminho e fazê-lo desde já. Queremos que este plano seja composto por medidas que possam ser adaptáveis e revistas periodicamente para rapidamente poder integrar as exigências e conhecimento desta matéria, em permanente evolução”, salientou.

O ministro do Ambiente acrescentou que “mais cedo ou mais tarde teremos de repensar a fiscalidade, o valor do capital natural, o modo como são feitas as demonstrações financeiras ou mesmo a forma como medimos o desenvolvimento económico”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Governo coordena fundos para apostar na economia circular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião