É PME? Quer ganhar escala? Saiba como

Clube criado pela Bosch vai gerar investimento de 100 milhões e criar 300 postos de trabalho qualificados. Já está aberto o concurso do Portugal 2020 para apoiar: são 80 milhões de euros.

É uma PME? Quer ganhar escala? Apostar na internacionalização? Então o Clube de Fornecedores pode ser a solução.

O objetivo é garantir a integração de PME em cadeias produtivas mundiais através da sua qualificação. Um upgrade conseguido através da colaboração com empresas nucleares que têm um papel relevante nessas cadeias de valor. Assim, as PME ganham escala em áreas que têm procura a nível internacional.

A iniciativa foi apresentada esta quinta-feira e consiste num dos pilares do programa Interface. E já foi dado o pontapé de partida com a formalização do Clube de Fornecedores com a Bosh Car Multimedia, líder da rede, Universidade do Minho, cinco instituições de interface e 36 PME. Com este projeto específico, o Executivo espera que se verifique um aumento de 80 milhões de euros de compras da Bosch a PME portuguesas, a realização de 100 milhões de euros de investimento e a criação de 300 postos de trabalho qualificados, revela o Ministério do Planeamento.

Formalização do Programa Clube dos Fornecedores com o responsável da Bosch Car Multimedia, Carlos Ribas, assinada sob o olhar dos secretários de Estado da Indústria, João Vasconcelos (D), e do Desenvolvimento e Coesão, Nelson Souza (E). Paula Nunes/ECOPaula Nunes / ECO

Esta rede vai, em breve, submeter uma candidatura ao Portugal 2020. E até já o podia fazer porque já está aberto (desde segunda-feira) o concurso para a seleção de quatro projetos-piloto de redes de fornecedores com objetivos relacionados com a dinamização do tecido industrial das PME. Em causa está um apoio de 80 milhões de euros.

As empresas nucleares — neste caso a Bosh Car Multimedia — têm de cumprir, cumulativamente, uma série de requisitos como trabalhar em setores com “procuras dinâmicas e inseridas em cadeias internacionais”; ter um volume de negócios anual de 75 milhões de euros (aferido na média dos últimos três anos) e um volume de compras a fornecedores de componentes, materiais e matéria-prima não inferior a 30 milhões de euros; apresentar uma intensidade exportadora superior a 50%. Além disso, as regras do concurso exigem a apresentação de uma estratégia de desenvolvimento que dê particular importância à integração de fornecedores nacionais de componentes e matéria-prima e ainda de um programa de parceria com os fornecedores.

Depois de identificadas as empresas nucleares, um número representativo de empresas fornecedoras assim como as entidades de interface que integram a rede; definidos os objetivos estratégicos e feita uma estimativa dos valores envolvidos passa-se à fase seguinte. Ou seja, são abertos concursos no âmbito do Sistema de Incentivos do Portugal 2020 para apoiar investimentos a realizar nas empresas fornecedoras.

Estes concursos vão responder de forma “específica às necessidades identificadas em termos de investimentos das empresas fornecedoras e irão dispor de dotações orçamentais próprias”, lê-se no Aviso publicado no site do Compete.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É PME? Quer ganhar escala? Saiba como

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião