Os desencontros de Félix Morgado e Tomás Correia

  • Margarida Peixoto
  • 21 Março 2017

Um é conotado com a Opus Dei, outro com a maçonaria. Félix Morgado e Tomás Correia têm uma relação difícil. E nos últimos meses a desconfiança mútua tem-se agravado.

Raquel Sá Martins / ECO

A exigência foi colocada de forma clara pelo Banco de Portugal: o governador Carlos Costa já disse, preto no branco, que o banco Montepio e o seu acionista — a Associação Mutualista — tinham de estar devidamente separados. A bem dos clientes do Montepio e da estabilidade do sistema financeiro, o universo de um não se pode confundir com o do outro. A julgar pela relação tumultuosa entre os líderes das duas instituições, a vontade do supervisor poderia ser ouro sobre azul — não fosse um precisar, imperiosamente, do outro.

De um lado, José Félix Morgado, presidente da Caixa Económica Montepio Geral. Do outro, António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral, a dona do banco. Como é que um banco se gere de costas voltadas para o seu acionista único? Não se gere. Ou, pelo menos, os resultados podem ser desastrosos, como as guerras do universo BCP já o demonstraram.

A relação entre Tomás Correia e Félix Morgado está cada vez mais difícil — a desconfiança é mútua, sabe o ECO. Os dois gestores têm passados muito diferentes mas isso não impediu Tomás Correia, no início, de sugerir o nome de Félix Morgado para o substituir à frente do banco Montepio. “Pensava que o ia controlar”, dizem várias fontes contactadas pelo ECO.

Em 2008, Tomás Correia acumulou a presidência da Associação Mutualista com a do banco. Antes de chegar à liderança do grupo Montepio tinha estado já quatro anos como administrador e na bagagem profissional levava vários anos de banca, na Caixa Geral de Depósitos.

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista, recusou esta segunda-feira demitir-se do cargo.Paula Nunes / ECO

Tomás Correia era um líder ambicioso, conta uma fonte ao ECO. E dá exemplos: lembra que foi a sua administração que imprimiu uma dinâmica nova ao banco, com a compra do Finibanco para ganhar terreno junto de clientes industriais e comerciais. Até ali, a Caixa Económica Montepio Geral tinha sido um banco mais voltado para os particulares e a gestão das suas poupanças — um ADN impresso pelo facto de ser resultado de uma associação mutualista. Mas Tomás Correia queria crescer.

Até agosto de 2015, Tomás Correia conduziu os destinos do acionista e do banco. Mas o impacto da crise económica e negócios que se revelaram negativos tanto para as contas como para a imagem da Caixa Económica despertaram a atenção do supervisor. O Banco de Portugal retirou a idoneidade a membros da equipa de Tomás Correia para exercer atividade em sociedades financeiras do grupo e exigiu a separação da liderança da Associação Mutualista, face à do banco.

Com os resultados no vermelho e dúvidas sobre a qualidade da gestão da equipa de Tomás Correia, a escolha do seu sucessor na Caixa Económica foi consensualizada com o próprio Banco de Portugal. Conforme explicou António Varela — o homem que tinha, à data, o pelouro da supervisão — ao ECO, ao supervisor não cabia escolher ninguém, mas antes validar, ou não, a proposta que lhe chegasse. Varela e Morgado já se conheciam, tinham trabalhado juntos no BCP. Tomás Correia propôs Félix Morgado e o nome foi aceite.

Félix Morgado não tinha grande experiência na atividade bancária propriamente dita — a sua experiência financeira era sobretudo na área dos seguros, tinha sido administrador, entre outras empresas, da Ocidental, Médis, Império Bonança. Félix Morgado mereceu até esse reparo da parte de alguns dos conselheiros da Associação Mutualista. Às dúvidas sobre a experiência profissional alguns mutualistas somavam outras: Félix Morgado é conotado com a Opus Dei, enquanto a liderança de Tomás Correia seria próxima da maçonaria.

O degradar da relação

À medida que Félix Morgado foi sendo incentivado pelo Banco de Portugal a assumir uma gestão profissionalizada do banco e separada da interferência do acionista, a relação com Tomás Correia degradou-se. É que o ex-presidente do banco Montepio fez questão de se manter à frente da Associação Mutualista — numas eleições que estão, aliás, a ser contestadas em tribunal por uma das listas que perdeu (a lista D, encabeçada por António Godinho).

Nas contas de 2015 foram reconhecidas imparidades com vários negócios decididos pela administração Tomás Correia e, por isso, o ex-presidente do banco sente que quanto maior for o sucesso agora de Félix Morgado na gestão da instituição financeira, mais isso coloca em xeque a sua ação à frente do Montepio, garantem diferentes fontes ao ECO.

A relação entre os dois terá ficado particularmente degradada quando Félix Morgado pediu ao Ministério do Trabalho, conforme contou o Público (acesso pago), o estatuto de empresa em reestruturação para alargar as quotas das rescisões. Félix Morgado terá feito o pedido sem informar Tomás Correia, que levou a mal não ter sido consultado para a tomada daquela decisão. Este foi um dos pontos de fricção.

José Félix Morgado, CEO do banco Montepio, na apresentação da nova imagem dos balcões do banco.Paula Nunes / ECO

Mas haveria mais. A assembleia geral da Caixa Económica estava a realizar um conjunto de reuniões extraordinárias para a transformação do banco em sociedade anónima. Era habitual estas reuniões realizarem-se sem a presença de Félix Morgado — até porque até há pouco tempo a questão não se colocava, uma vez que o presidente da associação era simultaneamente o do banco. Numa dessas reuniões, que decorreu em novembro de 2016, foi abordada a questão de Tomás Correia não ter sido consultado sobre o tal pedido ao Ministério do Trabalho.

O presidente da Associação defendeu que Félix Morgado deveria estar presente e por isso o líder do banco foi chamado naquele mesmo instante. Acontece que o presidente do banco “mostrou a sua fibra”, conta um participante da reunião ao ECO. Disse que não poderia estar presente naquele momento porque estava reunido com o conselho de supervisão. Tomás Correia propôs então, numa demonstração de força, que não só o conselho de administração, como cada um dos administradores fossem notificados que a assembleia geral tinha determinado que dali em diante deveriam comparecer nas reuniões. Terão sido alguns conselheiros a sugerir que os termos da notificação fossem suavizados.

Há também quem garanta que Félix Morgado já disse “não” a Tomás Correia mais do que uma vez — o que não terá agradado ao presidente da mutualista. Ou quem antecipe tensão se, e quando, o processo de mudança de marca para separar a associação do banco avançar. A confirmar-se que é a instituição financeira que muda de marca, é natural que a administração da Caixa Económica apresente uma proposta, contudo tem sempre de ser validada pelo acionista.

Apesar disso, as fontes contactadas pelo ECO garantem que os dois gestores se reúnem regularmente, num esforço de manter as relações institucionais abertas. E há até sinais de cortesia. Por exemplo, quando foi feita a apresentação pública da nova imagem dos balcões do Montepio, Félix Morgado terá telefonado pessoalmente a Tomás Correia para o convidar.

(Artigo atualizado às 11h15 com esclarecimentos de António Varela)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os desencontros de Félix Morgado e Tomás Correia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião