PS e BE tentam chegar a um meio termo sobre dívida pública

  • ECO
  • 21 Março 2017

O PS e o BE estão a tentar encontrar soluções negociadas, e não de rutura, para a dívida pública. Um tema que sobe esta semana a plenário. A iniciativa é do PCP, que pediu um debate de urgência.

Depois de vários adiamentos, ainda não há um relatório do grupo de trabalho sobre a sustentabilidade da dívida pública. Um tema que sobe esta semana a plenário, numa iniciativa do PCP, que pediu um debate de urgência. Este documento poderá trazer algumas soluções para ajudar a resolver o problema. E apresentar cenário negociados, e não de rutura, numa questão que desperta visões diferentes entre PS e Bloco de Esquerda.

O jornal Público (acesso pago) avança que o relatório do grupo de trabalho sobre a sustentabilidade da dívida pública — que já estava pronto em dezembro mas que foi novamente adiado — privilegia cenários negociados e não de rutura entre PS e Bloco de Esquerda. O documento apresenta “algumas soluções” para ajudar a resolver o problema, identificando opções que dependem da decisão do Governo ou outras soluções que envolvem “negociação com os parceiros”, diz o jornal.

O jornal refere que está excluído do relatório um cenário de uma renegociação unilateral, o que deixaria o Governo vulnerável. Uma das negociações em cima da mesa é o de um pagamento prioritário da dívida ao FMI, considerando o seu custo face à média da dívida suportada pelo Estado. No entanto, neste caso Portugal está sempre dependente da autorização das autoridades europeias.

Pedro Filipe Soares disse ao Público que já deverá haver um relatório “nas próximas semanas”. Mas não antecipa as conclusões. O deputado bloquista refere que “ainda estamos a trabalhar e não queria antecipar resultados do grupo”.

Já Francisco Louçã, que também faz parte deste grupo de trabalho, reafirma que não é possível sustentar os juros da dívida. O economista refere que todas as projeções mostram que é insustentável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS e BE tentam chegar a um meio termo sobre dívida pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião