Nove anos depois, Sonae Indústria consegue lucros

  • Lusa
  • 22 Março 2017

A Sonae Indústria fechou o último ano com resultados líquidos positivos. Foi a primeira vez desde 2007 que conseguiu lucros.

A Sonae Indústria regressou ao lucro em 2016, o que acontece pela primeira vez em nove anos, com um resultado líquido de 11 milhões de euros, contra prejuízos de 36 milhões de euros em 2015.

Em comunicado enviado hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sonae Indústria adianta que este é “o primeiro resultado líquido positivo anual desde 2007”.

Em igual período, o volume de negócios subiu 5,7%, para 240,9 milhões de euros, “apenas incluindo as atividades detidas integralmente pela empresa”.

Tal “deveu-se, principalmente, aos melhores resultados da nossa unidade no Canadá face ao anterior, com melhor ‘mix’ de produto e aumentos nos preços médios de venda“, refere a Sonae Indústria, adiantando que estes “também beneficiaram do desempenho positivo da unidade de laminados em Portugal em termos de volume de vendas, que cresceram cerca de 44% face ao ano anterior”.

A Sonae Indústria sublinha que a desvalorização do dólar canadiano face ao euro, no período em análise, “afetou negativamente o volume de negócios consolidado”, pelo que, “numa base comparável, utilizando taxas de câmbio de 2015, o volume de negócios teria sido cerca de 20 milhões de euros superior, representando um crescimento de 8,9%”.

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações recorrente (EBITDA recorrente) aumentou 28,5%, para 38,4 milhões de euros.

No final do ano passado, a dívida líquida era de 214 milhões de euros, menos 357 milhões de euros face a 2015.

Segundo o presidente do Conselho de Administração da empresa, Paulo Azevedo, citado no comunicado, 2016 “foi um ano desafiante e motivador, em que se verificou uma mudança transformacional para o grupo Sonae Indústria, posicionando-o para o futuro como uma empresa mais rentável e sustentável”.

“Sobre o desempenho do negócio, é com agrado que informo que em 2016 fomos capazes de aproveitar as melhores condições globais do mercado e os três principais negócios tiveram um desempenho melhor face ao ano anterior devido, particularmente, a melhores resultados no negócio da América do Norte e pela forte contribuição da Sonae Arauco”, adianta.

O negócio de laminados e componentes “também apresentou um melhor desempenho face ao ano anterior, embora a rentabilidade ainda precise de ser melhorada”.

Tendo em conta a participação de 50% na Sonae Arauco, no final do ano passado, “o EBITDA proporcional atingiu 90 milhões de euros e a dívida líquida proporcional situou-se nos 312 milhões de euros, traduzindo-se num rácio alavancagem de 3,5 vezes. Este valor compara com um rácio de alavancagem de 5,3 vezes para a Sonae Indústria no final de 2015”, conclui Paulo Azevedo.

Em termos de perspetivas futuras, a Sonae Indústria vai continuar a procurar aumentar a sua quota de mercado nos produtos de maior valor acrescentado na América do Norte, “incluindo a conclusão do investimento na quinta linha de produção de revestimento a papel melamínico e o lançamento da nova coleção ViVa”.

Na área de laminados e componentes, “vamos procurar melhorar os níveis de rentabilidade e concluir o investimento aprovado no ano passado para uma nova linha de orlagem no negócio de componentes em Portugal”.

Sobre a Sonae Arauco, a empresa vai apostar na consolidação da parceria com Arauco e em apoiar investimentos criadores de valor nas unidades industriais do grupo, “incluindo a melhoria e modernização das poucas unidades industriais que ainda utilizam prensas com tecnologia mais antiga”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nove anos depois, Sonae Indústria consegue lucros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião