Brexit: uma “tragédia” que custará 58 mil milhões de euros

Jean-Claude Juncker classificou o Brexit de uma "tragédia", mas alertou que o Reino Unido vai ter de pagar a fatura da saída. Em causa estão os compromissos já assumidos.

Em entrevista à BBC, o Presidente da Comissão Europeia admitiu que o custo do Reino Unido sair da União é cerca de 58 mil milhões de euros (50 mil milhões de libras). Jean-Claude Juncker vai receber a carta de divórcio na próxima quarta-feira, tal como anunciou Theresa May esta semana, mas o valor final da separação deverá ainda ser “calculado cientificamente”. Esta fatura não deve ser vista como uma “multa”, adverte o líder da CE, referindo que não se pode fingir que o país nunca foi um Estado-membro. No entanto, há algo que Juncker tem a certeza: o Brexit é uma “tragédia” e um “falhanço”.

“Não se pode fingir que nunca se foi um membro da União”, alerta Jean-Claude Juncker, referindo que o Governo britânico e o Parlamento acertaram responsabilidades com os Estados-membros que devem ser honradas. “Isto não é um castigo ou uma sanção contra o Reino Unido“, garantiu na primeira entrevista após o anúncio de que a primeira-ministra britânica vai acionar o Artigo 50. Em causa estão os projetos com os quais os britânicos já se comprometeram e que não podem ficar a meio. Além disso, existem as pensões dos funcionários da UE durante o tempo em que o Reino Unido foi (e ainda é) Estado-membro.

As negociações começam a partir do momento em que o Artigo 50 entra em ação. O chefe da Comissão diz que quer encarar as conversações de uma forma “amigável”, mas sem “ingenuidade”. Para Juncker é necessário, acima de tudo, garantir o futuro dos 4,5 milhões de europeus que vivem no Reino Unido e de britânicos que vivem nos Estados-membros. “Esta questão não é uma questão de negociação, é uma questão de respeitar a dignidade humana“, argumentou, deixando avisos para os próximos dois anos de negociações entre Londres e Bruxelas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: uma “tragédia” que custará 58 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião