Carga fiscal diminuiu duas décimas no ano passado

A carga fiscal passou de 34,4% em 2015 para os 34,2%, segundo os dados divulgados esta sexta-feira pelo INE. Esta descida foi conseguida pela diminuição dos impostos diretos sobre o rendimento.

A carga fiscal em 2016 fixou-se nos 34,2% do PIB, baixando duas décimas face a 2015. Apesar de toda a polémica à volta do número na altura em que o OE2016 foi apresentado, o ministro das Finanças conseguiu chegar ao final do ano com uma carga fiscal inferior àquela registada em 2015. O aumento das receitas com impostos sobre a produção e importação (3,9%) e com as contribuições sociais (3,9%) foi compensado por uma queda de 1,9% nos impostos sobre o rendimento e património e pela subida de 1,4% do Produto Interno Bruto [ver conta em baixo], segundo os dados divulgados pelo INE esta sexta-feira.

Na errata do Orçamento do Estado para 2016 lê-se que “serão adotadas medidas que permitam conciliar uma gestão orçamental responsável com a diminuição da carga fiscal e a recuperação do rendimento”. Mas também se lê que “invertendo a política dos últimos anos, perspetiva-se uma manutenção da carga fiscal em 2016“, onde antes se lia que iria existir uma redução de 0,1 pontos percentuais na carga fiscal de 2015 para 2016.

Independentemente do que consta no relatório do Orçamento do Estado para 2016, este era um compromisso do Governo: diminuir a carga fiscal ao mesmo tempo que se corrige o défice. Centeno prometeu no Parlamento, em fevereiro do ano passado, uma descida de 0,22 pontos percentuais na carga fiscal, segundo o Público. E, segundo os dados divulgados esta sexta-feira pelo INE, em contabilidade nacional (a que importa para Bruxelas), o ministro das Finanças cumpriu: a carga fiscal passou de 34,4% em 2015 para 34,2%.

Para este resultado contribuiu a queda do peso da tributação direta, dado que no ano passado os escalões do IRS foram atualizados, a extinção gradual do corte nas pensões milionários e a suavização da sobretaxa do IRS. Por outro lado, as contribuições sociais aumentaram dado o desempenho mais positivo do mercado de trabalho. Apesar da descida do IVA nos restaurantes a partir da segunda metade do ano, os impostos indiretos conseguiram uma melhor performance graças à compensação noutros itens como o do Imposto Sobre Produtos Petrolíferos (ISP) e o imposto sobre o tabaco.

No ano passado, a 12 de maio, o Instituto Nacional de Estatística divulgou o destaque Estatísticas das Receitas Fiscais de 1995 a 2015, confirmando que a carga fiscal se fixou nos 34,5% do PIB em 2015. No entanto, segundo os dados atualizados em janeiro de 2017 do Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (GPEARI), tendo como fonte também o INE, a carga fiscal em 2015 terá ficado em 34,4%.

Para 2017 o Governo promete uma redução de 0,1 pontos percentuais para os 34,1%. A carga fiscal “oficial” relativa a 2016 será divulgada pelo INE em maio.

Como se calcula?

A carga fiscal é dos conceitos que mais polémica suscita na discussão política. Segundo o Instituto Nacional de Estatística, “o conceito de carga fiscal define-se pelos impostos e contribuições sociais efetivas (excluindo-se, portanto, as contribuições sociais imputadas“. Resta então somar os impostos sobre o rendimento e património, os impostos sobre a produção e importação e as contribuições sociais efetivas, excluindo as “contribuições sociais imputadas dos empregadores”. O resultado desta soma deve ser divida pelo PIB, que em 2016 ficou nos 184 931 milhões de euros. O resultado destas contas é uma carga fiscal de 34,2%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carga fiscal diminuiu duas décimas no ano passado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião