Novo Banco: Acordo com Bruxelas é o “pior dos dois mundos”

  • Rita Atalaia
  • 27 Março 2017

O BE diz que o acordo que o Governo fez com Bruxelas para a venda do Novo Banco é o "pior dos dois mundos". Não se controla o banco e, diz Mariana Mortágua, fica-se corresponsável pelas decisões.

Mariana Mortágua defende que o acordo que o Governo fez com Bruxelas para ficar com uma participação de 25% no Novo Banco “é o pior dos dois mundos”. Isto porque para as autoridades europeias aceitarem esta venda, impuseram duas condições: que o Executivo fique sem poder de voto e sem administradores no banco de transição. A deputada bloquista diz que, neste caso, o Estado “não controla o banco, mas fica, ao mesmo tempo, corresponsável por uma política onde não há uma participação”.

O Bloco de Esquerda sempre se mostrou contra a privatização do Novo Banco por “não proteger os interesses do país nem do Novo Banco”, afirma Mariana Mortágua ao ECO. Por isso mesmo, nunca apoiou uma venda parcial. Mas, para a deputada do Bloco, “pior do que uma venda parcial, é uma venda parcial em que o Governo fica com a obrigação de acompanhar aumentos de capital” mas onde não “tem poder de decisão dentro do banco”. Sobretudo, no que toca às imparidades, relembra Mortágua.

O ECO avançou que, depois de vários meses de negociação com o Lone Star, o Governo conseguiu finalmente chegar a um meio-termo com Bruxelas: fica com 25% do capital, mas sem administradores no banco e sem poder de voto. Esta foi a condição das autoridades europeias para aceitar a participação do Estado na estrutura acionista em associação com o fundo norte-americano. Vai ter ações, a responsabilidade de capitalizar o banco no futuro caso venha a ser necessário, mas não vai ter direitos de participação na gestão.

É o pior dos dois mundos. Não se controla o banco, mas [o Estado] fica, ao mesmo tempo, corresponsável por uma política onde não há participação.

Mariana Mortágua

Deputada do Bloco de Esquerda

“É o pior dos dois mundos. Não se controla o banco, mas [o Estado] fica, ao mesmo tempo, corresponsável por uma política onde não há participação”, nota a deputada bloquista, que soube do acordo pelas notícias, não tendo ainda recebido um comunicado oficial da decisão. Marques Mendes avançou, no comentário habitual de domingo na SIC, que o Governo deve reunir-se esta semana com os partidos para lhes comunicar como está o processo de venda do Novo Banco e tentar ganhar o seu apoio para a solução conseguida. Mas a deputada diz que o Bloco de Esquerda ainda não recebeu qualquer convocatória.

“Se for este o caso, é mais um exemplo de como a Comissão Europeia tem sistematicamente imposto soluções para a banca portuguesa que entram em conflito com o interesse nacional“, remata Mariana Mortágua.

Contactado pelo ECO, o PCP também diz que não está prevista uma reunião com o Governo e reitera a sua oposição à privatização. “O Novo Banco deve ser integrado no setor público bancário“, refere o partido comunista, acrescentando que é “inadmissível a ingerência do Banco Central Europeu e da União Europeia em matérias que são do âmbito da decisão soberana do país”.

Esta decisão deverá ser anunciada até ao final desta semana. Por um lado, porque esta foi a data limite acordada para as negociações exclusivas entre o Governo e o Lone Star. Mas, sobretudo, por pressão negocial de um dos fundos que compõem o fundo norte-americano, que quer uma decisão do governo.

(Notícia atualizada às 16h48 com a reação do PCP)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: Acordo com Bruxelas é o “pior dos dois mundos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião