Inflação desacelera para os 1,5%. Menos pressão nos estímulos do BCE

Em fevereiro, a inflação da zona euro ficou nos 2%, pressionada essencialmente pelos preços dos combustíveis. Em março, a inflação desacelerou para os 1,5%, o que pesará numa decisão futura do BCE.

O gabinete oficial de estatísticas da zona euro divulgou esta sexta-feira que a inflação fixou-se nos 1,5% em março, depois de ter chegado à meta de Mario Draghi no início do ano. Esta desaceleração retira pressão ao Banco Central Europeu para diminuir o programa de estímulos a um ritmo mais elevado do que o atual. A inflação subjacente (a core, sem combustíveis ou alimentação) fixou-se nos 0,7%, segundo a estimativa rápida do Eurostat.

Este valor corresponde à expectativa da maior parte dos economistas consultados pela Bloomberg. Os analistas esperavam 1,8% de inflação em março, mas os preços desaceleraram ainda mais para os 1,5%. A pressão dos preços da energia diminuiu de 9,3% em fevereiro para os 7,3% em março. O mesmo aconteceu nos itens de alimentação, álcool e tabaco.

Estes dados divulgados pelo Eurostat corroboram com os níveis de inflação registados tanto em Espanha como na Alemanha — revelados esta quinta-feira — onde os preços desaceleraram. Os preços do petróleo, em comparação com o mesmo mês do ano anterior, tiveram uma evolução menos significativa, o que reduziu o seu peso no contributo para o aumento da inflação na zona euro. Desta forma, é provável que Draghi continuará com o quantitative easing nos próximos meses.

Estes números podem acalmar as vozes europeias que querem que o Banco Central Europeu acelere a redução gradual do programa de compras na zona euro. Essa pressão tem vindo a ser cada vez maior uma vez que o objetivo de uma inflação perto de 2% estar a ser alcançado. O BCE já tem vindo a reduzir gradualmente os estímulos, mas uma redução ainda maior terá efeitos negativos nos juros das dívidas soberanas europeias, principalmente nas mais dependentes como a portuguesa.

Na semana passada, o governador do banco central francês tinha dito que ainda não era o timing certo para diminuir ou colocar um ponto final nos estímulos monetários (movimento conhecido como tapering). Villeroy de Galhau, que tem assento no Conselho de Governadores do BCE, explicou “que tanto a inflação [global] como a inflação subjacente vão convergir para próximo do objetivo em 2019”, citado pela Reuters, numa conferência em Frankfurt. “Dado este progresso, deveríamos procurar parar a política monetária acomodatícia? Nesta fase, a resposta é claramente não”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inflação desacelera para os 1,5%. Menos pressão nos estímulos do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião