Quer obrigações? IGCP duplicou a oferta

Perante a forte procura, que esgotou os títulos logo no primeiro dia, o IGCP reviu em alta a oferta. Em vez de 500 vai, agora, emitir mil milhões de euros.

A meta inicial era de 500 milhões, mas o valor final da emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV) acabou por ser duplicado, tendo em conta a elevada procura registada por estes títulos. Assim, estão disponíveis mil milhões de euros para subscrever até 7 de abril.

A emissão foi lançada com um valor inicial de 500 milhões de euros. O período de subscrição arrancou a 27 de março, dia em que foram registadas intenções de compra de um valor que ficou acima da oferta. De acordo com fontes contactadas pelo ECO, que preferiram não ser identificadas, os investidores colocaram ordens para um montante em torno dos 600 milhões de euros.

Assim, “o Conselho de Administração do IGCP decidiu aumentar o valor nominal global da emissão de OTRV denominada ‘OTRV Abril 2022’ para mil milhões de euros“, refere o comunicado emitido pela agência liderada por Cristina Casalinho. A possibilidade de aumento da oferta já estava prevista logo aquando do lançamento da oferta.

Nas anteriores operações com OTRV, o IGCP elevou sempre o montante a colocar junto de investidores de retalho. Na primeira emissão elevou a oferta de 350 para 750, na segunda passou de 500 para 1.200 e na terceira passou para 1.500 milhões de euros (contra os 500 milhões iniciais). No total, só com OTRV o Estado financiou-se em 3.450 milhões no ano passado.

A forte procura tem sido uma constante nestas obrigações destinadas ao retalho. O contexto de juros muito baixos nos produtos tradicionais, nomeadamente os depósitos comercializados pela banca, tem levado muitos aforradores a investirem neste novo produto de poupança que tem pago taxas em torno de 2%. Nesta emissão, o juro apresentado é de 1,9%. A subscrição termina a 7 de abril.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Quer obrigações? IGCP duplicou a oferta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião