Quando um Ferrari vale menos por ter sido de… Trump

O F430 F1 Coupe foi vendido em leilão, mas não atingiu os valores inicialmente estimados. O desportivo que pertenceu a Donald Trump, atual Presidente do EUA, foi arrematado por 270 mil dólares.

Junte-se um superdesportivo, de uma marca de luxo como é a Ferrari, a um dono que é Presidente dos EUA. O resultado é, regra geral, um preço elevado. Mas nem sempre. No leilão realizado na Florida, nos EUA, o F430 F1 Coupe ficou-se pelos 270 mil dólares, aquém dos 350 mil estimados. Porquê? Em parte, porque o Presidente a quem pertenceu é… Donald Trump.

As licitações pararam nos 240 mil dólares, dez mil abaixo do preço de reserva — valor abaixo do qual o automóvel não é vendido. Mas o Ferrari acabou mesmo por ganhar uma casa (ou melhor, uma garagem) nova. Horas depois do leilão, a leiloeira emitiu um comunicado a anunciar a venda do superdesportivo por 270 mil dólares, sem revelar quem o adquiriu.

O F430 foi mesmo vendido, mas por um valor bem aquém do histórico recente. A Bloomberg diz que a Sotheby’s vendeu um F430 GTC por 459.200 euros (490 mil dólares) em janeiro, e um F430 Spider por 357 mil em 2016. Esta venda acabou por ficar aquém do esperado, especialmente se se tiver em conta que além de ser um Ferrari pertenceu a um Presidente.

O baixo preço poderá ser reflexo exatamente do seu anterior dono: Donald Trump. Um porta-voz da Hagerty, a leiloeira responsável pela venda do F430, admitiu isso mesmo, salientando o amor-ódio provocado pelo novo inquilino da Casa Branca. Mas há ainda outro fator: o carro foi de Trump, mas já não era quando foi a leilão. Se a compra fosse feita diretamente ao Presidente poderia render um pouco mais.

“O interesse é ligeiramente menor por parte de quem licita do que se estivessem a comprar o carro diretamente a Trump”, refere a leiloeira. O Ferrari vermelho comprado em 2007 pertenceu ao magnata durante quatro anos. Chegou a leilão com apenas seis mil quilómetros percorridos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quando um Ferrari vale menos por ter sido de… Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião