EUA: dez anos depois, taxa de desemprego volta aos 4,5%

A economia norte-americana deu mais um sinal de fortalecimento: a taxa de desemprego regressou aos níveis pré-crise de 2007.

A taxa de desemprego nos Estados Unidos não era tão baixa desde 2007. Os dados divulgados esta sexta-feira pelo Departamento do Trabalho mostram que o desemprego desceu de 4,7% em fevereiro para os 4,5% em março. Contudo, a criação de postos de trabalho ficou aquém do esperado: no mês passado a economia norte-americana criou 98 mil empregos, inferior aos 180 mil empregos esperados pelos economistas consultados pela Bloomberg.

Depois da criação de 219 mil postos de trabalho em fevereiro, a economia dos EUA adicionou menos empregos, mas ainda assim a taxa de desemprego atingiu um mínimo de dez anos. Os números sugerem que a crise financeira está mais do que ultrapassada, tal como também têm indicado os aumentos da taxa de juro pela Reserva Federal.

Contudo, o crescimento dos salários, em comparação homóloga, foi mais tímido: os salários desaceleraram para um aumento de 2,7%. Estes dados sugerem ainda que a economia norte-americana entrou numa fase de estabilização, com menos criação de postos de trabalho.

No ano passado, a média de criação de emprego fixou-se nos 187 mil por mês. Os analistas consultados pela Bloomberg esperam que essa média diminua para os 181 mil mensais em 2017. Contudo, com a revelação desde número de março, o aumento de postos de trabalho no primeiro trimestre deste ano ficou pelos 178 mil mensais.

O objetivo da nova Administração que tomou posse no final de janeiro é criar 25 milhões postos de trabalho em dez anos. Tal meta requer, em média, a criação de 208 mil postos de trabalho por mês, ou seja, 2,5 milhões de empregos por ano.

(Atualizado às 14h20)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

EUA: dez anos depois, taxa de desemprego volta aos 4,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião