Desemprego: Norma travão pode beneficiar 136 mil pessoas

A norma travão do Governo para que os desempregados não tenham um subsídio inferior ao IAS poderá beneficiar 136 mil pessoas. A alteração legislativa foi aprovada na semana passada.

Na passada quinta-feira, o Conselho de Ministros aprovou uma alteração legislativa onde impõe uma norma travão à redução do subsídio de desemprego, impedindo que este possa ser inferior ao Indexante dos Apoios Sociais (IAS), atualmente em 421,32 euros. Segundo informação avançada pelo Público e pelo Jornal de Negócios, a que o ECO também teve acesso, esta revisão do regime poderá abranger cerca de 58% dos desempregados afetados pelo corte. Ou seja, cerca de 136 mil beneficiários do subsídio de desemprego.

“O Governo estima que a revisão do regime de proteção no desemprego aprovada em RCM [Conselho de Ministros] possa abranger cerca de 58% dos beneficiários de subsídio de desemprego que teriam um corte de 10% nas suas prestações (considerando o ano de 2016: 136.000 / 234.000), uma vez que poderá registar-se uma diminuição das prestações de desemprego em 2017 face a 2016, decorrente da diminuição da taxa de desemprego registada em 2017″, explica ao ECO o Ministério da Segurança Social. Isto significa que estes 136 mil desempregados não vão ter o seu subsídio diminuído para lá dos 421,32 euros.

A alteração aplicada na semana passada faz com que o corte de 10% do montante atribuído pelo Estado — introduzido pelo anterior Governo PSD/CDS — só pode acontecer quando o valor do subsídio é superior ao IAS. Além disso, dessa redução não pode “resultar a atribuição de um montante mensal de valor inferior àquele indexante”. O corte de 10% aplica-se aos subsídios de desemprego a partir do sétimo mês de pagamento.

No final de março, a Assembleia da República aprovou uma resolução onde recomendava ao Governo que olhasse para esta questão. O BE e o PCP querem ir mais longe eliminando, a partir de 2018, o corte de 10% no subsídio de desemprego. O PS não se compromete, mas admite discutir o tema mais tarde, em sede de Orçamento do Estado para 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego: Norma travão pode beneficiar 136 mil pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião