Mastercard apoia startups fintech e expande candidaturas

  • ECO
  • 11 Abril 2017

Mastercard quer fomentar novas soluções financeiras através do apoio de startups centradas nesta área. O programa Start Path opera a nível global e quer apoiar startups numa fase mais avançada.

“O futuro digital está a ser moldado por startups fintech em todo o mundo”, justifica Paulo Barroso, country manager da Mastercard Portugal. O Programa Start Path quer incentivar as soluções financeiras das startups pois “elas seguem uma nova abordagem que melhora a experiência e a escolha dos consumidores em toda a indústria”. Assim, o Start Path abre novas candidaturas para uma edição de verão, a realizar-se nos próximos seis meses.

O prazo de candidaturas fecha este domingo, 23 de abril, e é possível através deste site. O programa pretende acelerar o crescimento das startups vencedoras ao permitir o acesso à rede de especialistas da Mastercard, assim como o contacto com os parceiros e clientes da empresa. Desde 2014, as quatro edições do Start Path concederam a oportunidade às startups de trabalharem com mais de 100 empresas de 24 países diferentes. Um quinto acabou por desenvolver pilotos ou por trabalhar em compromissos comerciais com a Mastercard.

Este ano, a edição que se encontra em vigor em 2017 dá destaque a soluções de inteligência artificial, desenvolvidas por três das cinco startups envolvidas, com o objetivo de promover o engagement com o consumidor. As restantes duas focam-se nos pontos de venda e na expansão de rede dos consumidores.

Agora, o programa estende-se a startups já numa fase avançada, em resultado da participação numa ronda de investimento da série A ou angariação de capital semente.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mastercard apoia startups fintech e expande candidaturas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião