PSD tem “visão crítica” sobre o PE e PNR. Não pede votação

Pedro Passos Coelho diz que não vai requerer a votação nem do Plano de Estabilidade nem do Programa Nacional de Reformas. Ainda assim, critica os dois documentos.

O PSD não vai requerer a votação do Plano de Estabilidade (PE) nem do Programa Nacional de Reformas (PNR). A garantia foi dada por Pedro Passos Coelho, o líder do partido, depois da audiência com o Presidente da República. Não pede votação, nem comenta o pedido já avançado pelo CDS-PP. Passos apenas diz ter uma “visão crítica” sobre ambos os documentos.

Tal como “não fez no ano passado”, o PSD vai voltar a não requerer a votação do PE e do PNR no Parlamento. “São dois documentos que vinculam o Governo… Não sei é se os partidos que o suportam estão confortáveis…”, disse o líder do PSD, em declarações transmitidas pela RTP3. “Nós não tencionamos apresentar nenhum pedido de votação“, afirmando que não conhece o pedido do CDS. “Quando conhecermos vamos pronunciar-nos”, disse.

“No ano passado, o Governo quis ouvir o PSD e os restantes partidos sobre os dois documentos. Isso não aconteceu agora. No ano passado apresentámos variadíssimas propostas de alteração no Parlamento para o PNR. A maioria mantém-se válida“, notou Passos Coelho, aproveitando para criticar tanto o PNR como o PE.

“O PNR não tem nenhuma reforma importante do Estado e da economia que possa sustentar uma retoma do investimento. A perspetiva continua a ser de crescer menos do que os nossos parceiros”, disse. Sobre o PE, Passos afirmou apenas que o documento “não tem um cenário macro tão irrealista. A base de partida é mais realista”.

César acusa Passos Coelho de ter reduzido PSD a “partido dos contras”

O presidente do PS, Carlos César, acusou Pedro Passos Coelho de ter reduzido o PSD a um “partido dos contras” e saudou o Governo por conjugar, nos Programas de Estabilidade e de Reformas, “responsabilidade social e responsabilidade financeira”.

No final da sua reunião com o Presidente da República, que demorou cerca de uma hora, Carlos César sublinhou que os documentos aprovados na semana passada provaram que “é possível ter ao mesmo tempo responsabilidade financeira e responsabilidade social”, algo que era negado pela direita.

Questionado sobre a posição crítica do PSD em relação aos dois documentos, transmitida um pouco antes pelo líder social-democrata, Pedro Passos Coelho, em Belém, Carlos César disse desejar que o PSD possa ser “útil a Portugal”.

“Reduzir o PSD, como faz o doutor Pedro Passos Coelho, a um partido de contestação permanente, a um partido de contras é muito pouco para a ambição que o PSD devia ter no contexto português”, criticou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD tem “visão crítica” sobre o PE e PNR. Não pede votação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião