Programa de Estabilidade “para agradar a Bruxelas e agências”

Marques Mendes disse no seu comentário na SIC que o Programa de Estabilidade foi feito “à imagem de Bruxelas e da ortodoxia europeia”.


O Governo de António Costa enviou, na sexta-feira, o Programa de Estabilidade (PE) e o Programa Nacional de Reformas (PNR) para o Parlamento, com metas e medidas até 2021.

No seu comentário habitual na SIC, Marques Mendes desvaloriza o PNR, que afirma ser “um conjunto de boas intenções”.

Já sobre o PE, diz que é feito para convencer os mercados e tem a preocupação de “agradar a Bruxelas e vai agradar às agências de rating”. Em maio, o país deverá sair do Procedimento por Défices Excessivos, o que deverá abrir a porta a que “lá para o final do ano, se calhar, o rating possa sair da categoria de lixo”, vaticina Marques Mendes.

Em termos políticos, o comentador considera ainda que, em matéria de metas, “não há grandes diferenças entre este PE e um que fosse aprovado por Pedro Passos Coelho”.

O que para o comentado da SIC “mostra que Governo, o PCP e o BE estão rendidos à cartilha de Bruxelas, por omissão ou por ação”.

“Se o PE for cumprido, será uma espécie de programa eleitoral para o PS para as eleições de 2019. Quem tiver esses resultados, muito dificilmente perde eleições”.

Com que armas fica a oposição?

“Fica em maus lençóis. Quando a economia está a crescer, com o desemprego a baixar e com o défice a descer, não é fácil fazer oposição”, refere o antigo líder do PSD.

Isto porque, “o CDS e o PSD perdem o seu discurso tradicional, do défice e do crescimento”.

A ideia que passa é que Passos fez cortes e que António Costa repõe rendimentos. As circunstâncias são diferentes, mas é a imagem que passa”, reforça.

Marque Mendes faz ainda o paralelo entre o atual Governo e o primeiro Executivo de Cavado Silva, há 30 anos: “um governo minoritário. Tomou conta do poder depois de uma crise económica. A oposição ficou associada a uma imagem de austeridade. Há um Presidente de cor diferente, que tem uma boa coabitação”.

Isto para concluir que o “PS esteve 10 anos na oposição”, vaticinando o que poderá acontecer agora com a direita.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Programa de Estabilidade “para agradar a Bruxelas e agências”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião