Quatro startups portuguesas no Cleantech Camp

O programa internacional Cleantech Camp, que vai decorrer em Lisboa e Barcelona, contará com quatro ideias portuguesas e dez projetos espanhóis. Há prémios de até 20.000 euros.

Existem quatro projetos tecnológicos com ADN português entre as 14 propostas selecionadas para participar no programa de aceleração Cleantech Camp, focado nas ideias de negócio no campo das energias limpas. As quatro startups ficam assim habilitadas aos prémios de 20.000, 10.000 e 5.000 euros que serão entregues ao primeiro, segundo e terceiro classificados, quando o programa terminar em junho. São elas:

  • Picma, um medidor de energia inteligente.
  • Rocket Farm, uma estufa com energia solar autossustentável.
  • Trigger Systems, uma plataforma para controlar remotamente sistemas de irrigação.
  • Fuelsave.io, uma solução para reduzir custos provocados pela emissão de gases poluentes enquanto se conduz.

As ideias têm origem em Lisboa e, além de competirem entre elas, vão concorrer contra outra dezena de empresas espanholas que também estão entre as finalistas. Em comunicado, a organização diz ter recebido 50 candidaturas.

O programa de aceleração Cleantech Camp estende-se entre Lisboa e Barcelona, com sessões de formação e eventos com players relevantes do setor das energias limpas. E como o ECO noticiou em meados de fevereiro, os custos da viagem e o alojamento nas duas cidades está já garantido.

“Os participantes dispõem de um espaço em Barcelona e em Lisboa e têm acesso ao InnovaHub [uma incubadora de empresas] da Gas Natural Fonseca para a realização de workshops”, acrescenta a organização. “O programa conta com os melhores profissionais de apoio ao empreendedorismo e com Albert Bosch, empreendedor e aventureiro, que fará uma sessão motivacional”, conclui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quatro startups portuguesas no Cleantech Camp

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião