Juros implícitos no crédito da casa em novo mínimo

A taxa de juro implícita no crédito à habitação situou-se nos 1,016% em março, um novo mínimo histórico.

Os juros no crédito para a casa continuam a cair e já vão em 31 meses consecutivos de quedas. Em março, a taxa de juro implícita no crédito à habitação recuou para 1,016%, uma queda de 0,2 pontos base face a fevereiro e um novo mínimo histórico. Os dados divulgados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) dão ainda conta de que a prestação média se manteve nos 237 euros pelo sétimo mês consecutivo.

Já nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita passou de 1,732% em fevereiro para 1,665% em março. O valor médio da prestação nos contratos celebrados nos últimos três meses caiu de 301 euros para 297 euros.

No que diz respeito ao financiamento para a aquisição de casa, a taxa de juro implícita também recuou em 0,2 pontos base para 1,031%. Neste segmento, os juros dos contratos celebrados nos últimos três meses caíram para 1,628% em março.

A taxa de juro implícita do crédito à habitação tem acompanhado a evolução da Euribor, que está a negociar em terreno negativo a três, seis e 12 meses. Estes valores não têm, contudo, sido refletidos nos contratos de crédito à habitação com taxa variável, como a Deco tem vindo a denunciar.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros implícitos no crédito da casa em novo mínimo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião