Resultados e corte de impostos à vista animam Wall Street

Os principais índices bolsistas norte-americanos fecharam com ganhos em torno de 1%, após duas sessões de quedas.

Os principais índices bolsistas norte-americanos encerraram esta quinta-feira em alta, recuperando de duas sessões negativas. As ações norte-americanas avançaram perto de 1% à boleia do bom ciclo de resultados empresarias, mas animados também pelas perspetivas de um corte de impostos em breve.

O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, avançou com alguns comentários onde antecipou que a administração de Donald Trump pretende avançar com reduções de impostos “muito em breve”, no âmbito de uma “grande reforma fiscal”. As declarações de Steven Mnuchin aconteceram durante uma cimeira que decorreu esta quinta-feira em Washington.

“Se houver algum tipo de avanço, será positivo para as ações”, disse Edward Campbell, diretor da gestora de ativos QMA, relativamente ao anúncio de Mnuchin, aconselhando, no entanto, os investidores a moderarem as suas expectativas relativamente à reforma tributária.

Os mercados acionistas americanos reagiram assim em alta ao anúncio do responsável da administração de Trump. O índice S&P 500 terminou a sessão a ganhar 0,76%, para os 2.355,88 pontos, enquanto o industrial Dow Jones somou 0,86%, até aos 174,63 pontos. Por sua vez, o tecnológico Nasdaq avançou 0,92%, para fechar a cotar nos 5.916,78 pontos.

Os ganhos dos índices norte-americanos foram ainda apoiados pela boa época de resultados empresariais na maior economia do mundo. Segundo a Reuters, cerca de 75% das 57 empresas do S&P 500 que já divulgaram os seus resultados trimestrais excederam as expectativas. Esta taxa de sucesso fica acima da de 71% registada nos quatro trimestres passados. Ao todo, estima-se que as receitas das empresas do índice subiram, em média, 10,8% no primeiro trimestre deste ano, o melhor registo desde 2011.

A Verizon foi uma das cotadas que contrariou o otimismo em torno da época de resultados trimestrais ao apresentar, antes da abertura do mercado, resultados aquém do esperado. As suas ações acabaram a sessão a perder 1,08%, para os 48,41 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Resultados e corte de impostos à vista animam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião