Protestos na Venezuela fazem mais vítimas mortais

  • Lusa
  • 22 Abril 2017

Os protestos entre oposição e Governo escalam. Saque num bairro de Caracas fez 12 mortos, mas os confrontos estendem-se por toda a capital e as vítimas mortais também.

Pelo menos 12 pessoas morreram na sexta-feira em saques num bairro popular de Caracas, na Venezuela, e uma em protestos da oposição, além de se registarem danos materiais, com Governo e oposição a responsabilizarem-se mutuamente.

Mais de uma dezena de espaços comerciais foram alvo de saque na madrugada de sexta-feira após um protesto contra o Governo em El Valle, incluindo uma padaria onde morreram eletrocutadas nove pessoas que participavam no roubo.

O Governo elevou o número de vítimas mortais em El Valle para 12, três com arma de fogo, e indicou que seis pessoas ficaram feridas por disparos.

O autarca do município Libertador de Caracas, o ‘chavista’ Jorge Rodríguez, afirmou que os dirigentes da oposição “queriam queimar crianças” durante os distúrbios em El Valle, já que as autoridades tiveram de evacuar o hospital infantil da zona, afetados pelos distúrbios.

“Bandos de delinquentes foram ativados para atacar o centro de saúde”, afirmou o ministro da Comunicação, Ernesto Villegas, explicando que “28 crianças, seis delas recém-nascidos” tiveram de ser retiradas.

O vice-presidente venezuelano, Tareck el Aissami, responsabilizou o deputado da oposição José Guerra e acusou-o de promover “atos terroristas”.

Por seu lado, Guerra garantiu em conferência de imprensa que a violência na zona foi iniciada pela Guarda Nacional, que disparou contra edifícios e lançou gás lacrimogéneo para dispersar o protesto da oposição.

Guarda Nacional com equipamento antimotim estabelecem um perímetro de segurança durante uma manifestação contra o Presidente venezuelano Nicolas Maduro, em Caracas. Carlos Becerra/Bloomberg

Disse também que há grupos de civis “armados pelo Governo” que promoveram a violência em El Valle.

O autarca de Sucre, Carlos Ocariz, da oposição, deu conta da morte de um homem no bairro de Petare, no leste da capital, durante os protestos contra o Governo, e pediu que a sua morte seja investigada.

“É com muita dor que informo da morte, por impacto de bala, de Melvin Guaitan, humilde trabalhador, morador do bairro Sucre, Petare”, disse Ocariz através da sua conta de Twitter.

Esta morte junta-se a outras nove de pessoas que nas últimas três semanas perderam a vida nos protestos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Protestos na Venezuela fazem mais vítimas mortais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião