PS foi “mais papista que o papa” nos planos de Estabilidade e de Reformas

  • Lusa
  • 23 Abril 2017

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, avisou este domingo que o seu "compromisso primeiro" não é com o governo, mas sim com os trabalhadores, o povo e o país.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou este domingo o PS de ter sido “mais papista que o papa” em relação aos conteúdos do Programa de Estabilidade e do Plano Nacional de Reformas (PNR).

“E esta acusação fazemos ao PS, porque não tinha que ser mais “papista que o Papa”. Nós precisamos de verba, de dinheiro para responder aos problemas económicos e sociais que hoje temos no país, com estes instrumentos (Programa de Estabilidade e Plano de Reformas) que agora foram aprovados não iremos longe”, disse.

Para o líder comunista, que falava no decorrer de um almoço convívio com militantes e simpatizantes do PCP, em Monforte, no distrito de Portalegre, com a aprovação destes documentos a redução do défice vai “para além daquilo que a “troika” tinha definido.

“A redução do défice vai para além daquilo que a própria “troika” exigia, em que cada décima representa 200 milhões de euros. E porquê esta persistência em ser “mais papista que o papa” quando essas décimas poderiam refletir-se no Serviço Nacional de Saúde, na resolução de muitos problemas estruturais que temos”, questionou. Para Jerónimo de Sousa, a política de direita ainda faz parte das “opções de fundo” do atual Governo.

O secretário-geral do PCP, que criticou no decorrer do seu discurso o anterior governo de coligação PSD/CDS-PP, lançou ainda no Alentejo críticas à União Europeia (UE). “Enquanto a UE continuar a impor, a mandar, decidir por nós, pelo povo português, dificilmente nos libertamos e afirmamos a nossa soberania”, disse.

Ao longo do seu discurso, Jerónimo de Sousa afirmou que o PCP está “determinado” e que “não faz fretes” ao PSD e ao CDS-PP, rejeitando também abdicar dos princípios comunistas. “É importante também dizer, claramente, que o PCP não tem um compromisso primeiro e principal com o Governo do PS. O PCP tem um primeiro e principal compromisso com os trabalhadores, com o povo e com o país, desse não abdicamos”, declarou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS foi “mais papista que o papa” nos planos de Estabilidade e de Reformas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião