BCE mantém taxas de juro e admite aumentar estímulos

O Conselho de Governadores liderado por Mario Draghi manteve a taxa de juro nos 0%. Já o programa de compra de ativos mantém-se até ao fim ano, mas pode aumentar e ser prolongado, diz o BCE.

O Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE) deixou inalterada a taxa de juro diretora na Zona Euro, uma decisão amplamente esperada pelos analistas. Decidiu ainda manter a dimensão atual do programa de estímulos económicos, que prevê a compra de 60 mil milhões de euros de ativos mensais. Prevista está também a possibilidade de estender em dimensão e no tempo o atual programa de compra de ativos, no caso do outlook económico se deteriorar.

Para já, os responsáveis de política monetária do espaço do euro mantiveram a taxa de juro de referência do espaço do euro nos 0%, apesar de alguns analistas começarem já a antecipar sinais de que o fim da era dos juros zero poderá estar para breve. O próprio BCE terá considerado a possibilidade de subir juros já na reunião de março, tendo optado por em nada mexer, em resultado dos números da inflação.

Já no que respeita à dimensão do atual programa de estímulos, em comunicado o BCE “confirma que a compra líquida de ativos, ao novo ritmo mensal de 60 mil milhões de euros, é intenção que se mantenha até ao fim de dezembro de 2017, ou para além disso, caso necessário, e em qualquer circunstância até que o Conselho de Governadores veja um ajustamento sustentado no percurso da inflação consistente com o seu objetivo.”

O BCE admite mesmo “aumentar o programa em termos de dimensão e/ou duração”, caso “o outlook se torne menos favorável ou as condições financeiras se tornem incompatíveis com novos progressos no sentido de um ajustamento sustentado no percurso da inflação”.

Recuperação económica “cada vez mais sólida”, mas inflação ainda pesa

No que respeita ao cenário económico, as palavras de Draghi na conferência de imprensa que se seguiu ao anuncio da manutenção do atual quadro da política monetária do BCE apontaram para a melhoria das perspetivas económicas na região, apesar da baixa inflação continuar a representar um risco.

“É verdade que o crescimento está a melhorar, que as coisas estão a ficar melhor”, afirmou o presidente do BCE perante os jornalistas esta quinta-feira. E acrescentou: “Em 2016 estávamos a falar de uma recuperação frágil e desigual. Agora é sólida e abrangente“.

O italiano referiu que os dados económicos da área do euro estão a revelar-se cada vez mais resiliente e que tal levou os membros do Conselho de Governadores a discutir até que ponto deveriam mudar a sua avaliação relativamente aos riscos para o crescimento. Aquilo que não terá sido discutido foram eventuais mudanças das atuais orientações, que apontam para que as taxas de juro permaneçam nos mínimos atuais por um período extenso de tempo, bem como o horizonte para as compras líquidas de ativos.

Os receios em torno dos preços na Zona Euro continuam a marcar a agenda de estímulos monetários da entidade liderada por Mario Draghi, que salientou a volatilidade da inflação que apresenta resistência em subir. Exemplo disso foi o que aconteceu em março, com a inflação a fixar-se nos 1,5%, abaixo dos 2% registados no mês anterior. “Ainda temos de observar uma tendência convincente de recuperação da inflação”, referiu a esse propósito o presidente do BCE. Relativamente a abril, Mario Draghi afirmou que a expectativa é no sentido de uma subida da inflação, para se manter nesse nível ao longo do resto do ano.

(Notícia atualizada às 15h18 com mais informação sobre a conferência de imprensa)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE mantém taxas de juro e admite aumentar estímulos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião