Alemães alertam para riscos da política do BCE

  • Lusa
  • 5 Abril 2017

Um grupo de 25 economistas alemães diz que a política seguida por Mario Draghi é perigosa para o setor financeiro. E quanto mais tempo durarem os juros baixos, mais difícil será acabar com eles.

A política de juros nulos do Banco Central Europeu (BCE) é criticada num relatório do conselho de assessores do ministério da Economia alemão, composto por 25 economistas, que alerta para os perigos da mesma.

Os juros nulos, ou próximos de zero, explicam os economistas alemães, reduzem radicalmente as possibilidades de ganhos das instituições financeiras, o que é especialmente grave se se tem em conta a crise que atravessou o setor bancário.

O relatório foi apresentado hoje pelo presidente do conselho de assessores do ministério da Economia alemão, Hans Gersbach, e pelo diretor, Martin Hellwig, catedrático da Universidade de Bona, que coordenou a realização do documento.

“Com juros próximos de zero questionam-se os próprios fundamentos do sistema financeiro”, afirmou Hellwig.

O documento defende que quanto mais durar a política de juros nulos, maiores serão os riscos e mais difícil será pôr-lhe fim.

Segundo Hellwig, alguns problemas da atual política monetária do BCE já são evidentes, como a existência de uma ‘borbulha’ imobiliária ou o facto de que muitas pessoas, perante a possibilidade de investirem o seu dinheiro no mercado financeiro tradicional, estão a optar por duvidosas apostas de alto risco.

Em relação ao dinheiro em cash, outro dos temas do documento, os economistas referem no relatório que este “tem de continuar a ser um meio de pagamento importante”.

Em todas as partes do mundo a circulação de notas de altos montantes foi reduzida e atualmente existem propostas para restringir radicalmente a utilização de dinheiro em cash“, referem os autores do relatório.

Os economistas referem no relatório que os bancos centrais não poupariam custos com a abolição do dinheiro em cash e defendem que “a emissão de dinheiro em cash, com exceção para a moeda de um cêntimo, é benéfica para o BCE”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alemães alertam para riscos da política do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião