Fitch: Orientações do BCE para malparado são passo para melhorar banca

  • Lusa
  • 5 Abril 2017

A agência de notação financeira aplaude as orientações dadas pelo banco central. Diz que pressionam os bancos a agirem, levando a um fortalecimento do setor financeiro.

A agência de notação financeira Fitch considerou hoje que as orientações dadas pelo Banco Central Europeu (BCE) para resolver o problema do crédito malparado são mais um passo para melhorar a força da banca da Zona Euro.

O BCE recomendou em 20 de março que os bancos da Zona Euro devem implementar estratégias “realistas” e “ambiciosas” para resolver o problema do crédito malparado, incluindo nos domínios da gestão e do risco. A instituição quer abordar o tema com “deliberação e firmeza”.

De acordo com a Fitch, as recomendações do BCE pressionam os bancos a agir contra o problema do malparado (‘non performing loans’, ou NPL, em inglês), conduzindo a um fortalecimento do setor.

A agência calcula que, apesar de o BCE não ter identificado os bancos a quem se referem estas recomendações, existam pelo menos 35 de 125 instituições supervisionadas pelo BCE com níveis de malparado acima da média.

Sobretudo na Grécia, Irlanda, Itália, Portugal e Espanha, mas também em algumas economias do norte da Europa”, lê-se numa nota da Fitch.

De acordo com o BCE, em setembro do ano passado, o stock de crédito malparado na Zona Euro ascendia aos 921 mil milhões de euros.

O problema do malparado vai marcar a reunião dos ministros das Finanças da União Europeia, que decorre no final desta semana em Malta.

O desafio para abordar o problema partiu de Malta, que tem a presidência rotativa da União Europeia (UE) e que recebe os ministros das Finanças dos 28 Estados-membros na sexta-feira e no sábado, sendo que a Comissão Europeia já se mostrou disponível para participar numa estratégia concertada.

Segundo uma nota a que a Bloomberg teve acesso e que tem circulado, o Governo maltês pediu uma “ação concertada” para prevenir que o problema do crédito de rentabilidade duvidosa possa ameaçar a estabilidade financeira e prejudicar o crescimento económico da UE.

“Dada a sua magnitude, o problema dos créditos não performativos [NPL, na sigla em inglês] não se vai resolver sozinho, mesmo num contexto de recuperação económica”, considerou a presidência maltesa da UE numa nota.

Nesse sentido, Malta defende “uma abordagem multifacetada combinando uma mistura de ações políticas, num nível nacional e possivelmente europeu”, considerando que essa é a forma “mais adequada para abordar o problema dos NPL”.

Uma porta-voz da presidência maltesa acrescentou à Bloomberg que a resolução do problema do malparado deverá marcar a discussão dos ministros das Finanças da UE (Ecofin), agendada para sexta-feira e sábado em Valletta (capital de Malta).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch: Orientações do BCE para malparado são passo para melhorar banca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião