Transparência Internacional quer acabar com “portas giratórias” no BCE

  • Lusa
  • 28 Março 2017

A Transparência Internacional defendeu hoje criação de um período de transição de dois anos para os membros do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu assumirem cargos no setor privado.

A organização defende que deve haver um período de dois anos entre o deixarem de pertencer ao Banco Central Europeu e o regressarem ao setor privado para acabar com as denominadas “portas giratórias” (circulação entre o setor público e privado) na instituição.

Num relatório intitulado “Duas caras da mesma moeda? Independência e Responsabilidade do BCE”, a organização também propõe aplicar a medida aos altos funcionários do banco e salienta que aquele princípio já figura no regulamento dos funcionários da União Europeia e no Código de Conduta para Comissários Europeus a ser adotado brevemente.

O estudo assegura que muitos membros do Comité Executivo do BCE, que inclui o presidente e o vice-presidente do banco, aceitaram empregos em empresas de financiamento privadas sem terem experiência no setor antes de trabalharem no Banco Central Europeu.

Por isso, a organização pede que seja feito um procedimento transparente para analisar os postos de trabalho a que acederam os funcionários do BCE depois de abandonarem a instituição comunitária.

Para a Transparência Internacional, o Comité de Ética do Banco Central Europeu deveria realizar aquela avaliação, em vez do Comité Executivo.

Mesmo assim, a organização considera ser necessário reestruturar o órgão ético do banco central, porque na atualidade é liderado por um antigo presidente do BCE e, por isso, “não é imparcial como deveria”, indica o documento.

A Transparência Internacional propõe também que os membros do Conselho de Governadores e, em particular, os integrantes do Comité Executivo, devem tornar públicos os seus interesses e património.

Para detetar conflitos de interesse e a corrupção, a Transparência Internacional considera necessário a atualização do procedimento que permite a particulares denunciar situações internas ilegais, com o objetivo de equiparar o BCE aos melhores modelos internacionais e com a possibilidade de o denunciante não ser identificado.

O estudo recorda que durante 2016 só duas pessoas denunciaram irregularidades no BCE, o que reflete, segundo os autores, a “dificuldade para criar uma cultura propícia à integridade”.

O documento exige também à instituição comunitária maior transparência sobre os encontros dos seus funcionários com os lobistas e propõe que o BCE se junte ao Registo de Transparência da União Europeia, no qual trabalhadores e políticos registam os seus encontros com representantes de empresas e grupos de pressão.

O estudo pede também que as comunicações entre o banco e os Governos nacionais sobre condições para aprovar medidas de apoio monetário sejam públicas e estejam assinados pelo presidente do Eurogrupo e do parlamento europeu.

Por último, sugere que a designação dos membros do Comité Executivo deve ser feita pelo Parlamento europeu, cujos deputados devem ser informados sobre as posições adotadas pelos representantes do BCE em encontros internacionais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Transparência Internacional quer acabar com “portas giratórias” no BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião