Economia da Zona Euro está mais forte. Vem aí uma subida de juros?

A Zona Euro continua a recuperar. A atividade económica está em máximos de seis anos, um ritmo elevado que aumenta a especulação em torno de uma subida de juros por parte do BCE.

O inquérito da empresa de serviços de informação financeira IHS Markit aos gestores, divulgado esta sexta-feira, mostra que a economia da moeda única está a acelerar. O índice de compras de gestores atingiu um máximo de seis anos em março (56,7), sinalizando uma maior criação de emprego e uma pressão sobre a inflação cada vez mais forte, escreve a Bloomberg. Estes valores refletem a expansão da atividade industrial na Zona Euro. Uma análise do Commerzbank afirma que está a aumentar a especulação perante um aumento da taxa de juro pelo Banco Central Europeu antes do previsto.

Estes números contrastam com a expectativa dos economistas que era de uma descida do índice. O aumento face a fevereiro segue de perto o crescimento do PIB na Zona Euro em 0,6%, o que ainda é mais reforçado pelo emprego que atingiu um máximo desde julho de 2007. Para o economista da IHS Market, Chris Williamson, este momentum da economia da moeda única, aliada à pressão do petróleo na inflação, sugere que o crescimento económico continuará no segundo trimestre do ano. “As melhores notícias vieram da França, onde o crescimento foi superior aquele registado na Alemanha, à boleia do reforço da procura interna”, explicou à Bloomberg.

Um dos efeitos destes números, na análise dos economistas do Commerzbank, vai ser a pressão à volta do Banco Central Europeu para que Mario Draghi suba a taxa de juro. A especulação voltou a ser alta, refere a análise, dado que este “sentimento” poderá resultar numa subida do PIB superior àquela prevista pelo BCE. Contudo, os economistas do banco alemão admitem que é pouco provável que o BCE mude a sua direção uma vez que estes dados ainda não são sólidos.

Este índice da IHS Markit tem uma escala de 100 pontos. A linha dos 50 separa a contração da aceleração da economia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia da Zona Euro está mais forte. Vem aí uma subida de juros?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião