Há interesse na Lusoponte, mas a Mota não vende

  • ECO
  • 28 Abril 2017

Há propostas que a Mota-Engil está a considerar para vender a sua participação em concessionárias portuguesas e estrangeiras, mas a Lusoponte, para já, não vai ser alienada.

A Mota-Engil tem propostas de compra para as suas participações na Lusoponte, mas não as aceitou, de acordo com o Jornal de Negócios (acesso pago) desta sexta-feira.

Com base no relatório e contas de 2016 da empresa, o Jornal de Negócios escreve que as “diversas propostas” recebidas pelo grupo liderado por Gonçalo Moura Martins foram para as participações na Lusoponte, nas autoestradas que possui no México e no Brasil, na Via Litoral madeirense e na Scutvias da Beira Interior.

O mesmo relatório esclarece que a Mota-Engil está a considerar algumas das propostas recebidas para concluir o processo de alienação no “curto prazo”, mas que a Lusoponte não será vendida. Uma fonte que falou ao Jornal de Negócios explicou que a Lusoponte não é um ativo que a Mota-Engil queira vender “no curto prazo”.

A Lusoponte, de acordo com o relatório de 2016, viu aumentar o tráfego na ponte Vasco da Gama em 4,4% e na 25 de Abril em 1,5%, o que resulta num aumento de receita nas portagens de 5,7%.

Quanto às restantes ofertas, a posição na Scutvias da Beira Interior deverá ser a primeira a ser alienada. Também há propostas recebidas pelos 50% que a Mota-Engil detém no Brasil, na Rodovias do Tietê, e no México, na autopista Perote-Xalapa (Copexa).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há interesse na Lusoponte, mas a Mota não vende

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião