Irmão francês do 3008 está a chegar. É o C5 Aircross

Depois do primo, o Grandland X, da Opel, o 3008 conhece agora o seu irmão francês, o C5 Aircross. É o novo SUV da Citroën. Chega no próximo ano.

SUV, SUV, SUV… Todas as marcas têm um. E todas querem ter o que todos (os consumidores) querem ter. O segmento está a rubro com novidades de exposição em exposição. Desta vez é a Citroën que já deu a conhecer o C5 Aircross, um SUV compacto que procura diferenciar-se dos demais com um modelo que chegará ao mercado praticamente como foi mostrado pela primeira vez como concept car.

“Com este modelo diretamente inspirado no concept car Aircross, revelado há dois anos em Xangai, a Marca demonstra, de novo, a capacidade de afirmar a sua identidade única e de renovar conceitos, qualquer que seja o segmento: a Citroën apresenta, agora, uma verdadeira assinatura no universo dos SUV”, diz a marca francesa.

Com linhas musculadas, sustentadas pelo capot elevado, o C5 Aircross aposta numa identidade ousada para se diferenciar da crescente concorrência a que se assiste num segmento que representa cerca de um quarto das vendas de automóveis. A base é a do irmão francês, o Peugeot 3008, o mesmo modelo que foi utilizado pela Opel para criar o Grandland X. Tal como o Opel, o C5 Aircross também só chegará já em 2018.

“O novo C5 Aircross é um forte testemunho da dinâmica da Citroën, uma marca atenta às expectativas dos clientes em todo o mundo. O novo modelo concretiza a nossa ofensiva no mercado dos SUV e ilustra a nossa capacidade de investir, à nossa maneira, com mais personalidade, conforto e bem-estar a bordo. O novo C5 Aircross irá acompanhar, claramente, o crescimento da Citroën, nos nossos diferentes mercados”, diz Linda Jackson, diretora geral da Citroën.

E se esteticamente a fabricante francesa pretende mostrar que sabe fazer diferente, no habitáculo, a fórmula de sucesso continua a ser um interior que transmite tanto a sensação de proteção — proporcionada pelos mais recentes sistemas de ajuda à condução — como de conforto, sem esquecer o entretenimento a bordo.

“O espaço é amplo e luminoso graças ao teto de abrir panorâmico, aos bancos dianteiros com aquecimento e massagem e aos bancos traseiros acolhedores e que dão primazia ao espaço para as pernas, tudo isto num ambiente purificado, graças a um sistema de tratamento da qualidade do ar”, diz a marca. E estará equipado com um painel de instrumentos digital TFT de 12,3 polegadas e um ecrã tátil capacitivo de 8 HD.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Irmão francês do 3008 está a chegar. É o C5 Aircross

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião