Passos: Esquerda “quer deitar mãos às reservas do Banco de Portugal”

O líder do PSD já reagiu ao relatório sobre dívida pública que foi apresentado pelo PS e pelo Bloco de Esquerda.

“Há uma intenção clara do Governo” de “deitar a mão” ao “dinheiro que está no Banco de Portugal, como medida extraordinária para ajudar a compor os números do défice”. É desta forma que Pedro Passos Coelho reage ao relatório sobre dívida pública que foi apresentado pelo PS pelo Bloco de Esquerda.

O líder do PSD vê com bons olhos o facto de o relatório excluir uma reestruturação da dívida mas critica as sugestões “para políticas de curto prazo”. Excluindo uma, essas políticas são erradas ou perigosas, nota. A exceção é “pagar mais depressa ao Fundo Monetário Internacional”, diz Passos, mostrando “pena” por o Governo ter abrandado o ritmo de pagamento de empréstimos, já que isso implicaria uma poupança nos juros.

O que é então errado? “Encurtar os prazos de emissão de dívida, como é proposto, isso é normalmente o que fazem os credores com pior qualidade e foi o que aconteceu a Portugal até 2011”, salientou.

E o que é perigoso? “É ir simplesmente deitar a mão às reservas do Banco de Portugal que já se percebeu é isso que o Partido Socialista e o Bloco de Esquerda querem“, notou Passos Coelho, dizendo que talvez se perceba agora melhor a “guerra” contra o governador do Banco de Portugal. “Há uma intenção clara do Governo poder deitar a mão às reservas, ao dinheiro que está no Banco de Portugal para, como medida extraordinária ajudar a compor os números do défice”.

Em declarações transmitidas pelas televisões, o líder do PSD começa por dizer que “adorava” que o país tivesse uma dívida “mais baixa”, ou seja, “que no passado, não se tivesse contraído tanta dívida de forma irresponsável”. Rejeitando responsabilidades do seu Governo — “não fui eu que o fiz”, afirmou — Passos adiantou que é agora necessário “responder a essa dívida”.

“O que se passou nestes anos, no essencial, resultou de responsabilidades que foram contraídas pelo país e até numa altura anterior ao meu Governo”, vincou, apontando o dedo ao “Governo anterior, que pediu o resgate”.

Redução do desemprego não se deve apenas a este Governo, diz Passos

Também hoje foram conhecidos dados do desemprego, que apontam para uma nova redução da taxa, mas Passos Coelho salientou que esta evolução positiva “não é um mérito particular deste Governo”. O recuo do desemprego “deve-se em grande medida às reformas estruturais” do Executivo PSD/CDS, também ao nível do mercado de trabalho, notou.

O líder do maior partido da oposição indicou ainda que a maioria dos novos empregos são “não precários” e afirma que isso se deve “indubitavelmente” à reforma anterior das leis laborais. E é por isso que o atual Governo não reverte estas reformas em concreto, defendeu Passos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos: Esquerda “quer deitar mãos às reservas do Banco de Portugal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião