Relatório PS/BE pede “cenários concretos” de reestruturação da dívida

  • Lusa
  • 28 Abril 2017

O relatório do Grupo de Trabalho sobre a sustentabilidade da dívida portuguesa pede do Governo "cenários concretos" de reestruturação da mesma para serem utilizados em discussões europeias.

É importante que o Governo tenha estudado e preparado cenários concretos de reestruturação da dívida pública ao setor oficial que possam ser utilizados como base de discussão em potenciais futuras negociações multilaterais no contexto europeu sobre o endividamento excessivo”, frisa o texto, que será hoje apresentado no Parlamento.

O Governo, aponta o texto, de 80 páginas, poderá contribuir para esse processo de negociação “com propostas construtivas que possam ser utilizadas não só no caso de Portugal, mas também com outros” Estados-membros da União Europeia.

Mais, o relatório define também como importante que o Governo “disponha de análises que lhe permitam avaliar qual o nível de reestruturação de dívida que seria importante defender no contexto dessas negociações” europeias, “para que esta reestruturação de dívida possa ter o impacto necessário de forma a alterar de forma permanente a dinâmica (e a sustentabilidade) da dívida pública e da dívida externa portuguesas”.

"Para que esta reestruturação de dívida possa ter o impacto necessário de forma a alterar de forma permanente a dinâmica (e a sustentabilidade) da dívida pública e da dívida externa portuguesas.”

Relatório do grupo de trabalho da dívida

No caso português, é referido que deve haver um “acordo em relação às metas de longo prazo do saldo primário” que sejam “simultaneamente compatíveis” com os compromissos futuros com os credores “e com o desenvolvimento económico e social do país”.

O PS e o Bloco de Esquerda (BE) apresentam esta sexta-feira no Parlamento as conclusões do relatório do grupo de trabalho sobre a sustentabilidade da dívida externa portuguesa, mas o Governo não se vinculará ao documento.

O peso da dívida externa, é referido no trabalho “restringe o crescimento económico do país e as suas escolhas democráticas” e a “manutenção de elevados níveis de dívida externa e pública é ela própria um constrangimento à retoma da economia portuguesa na atualidade”.

Tal deve-se, referem os deputados e economistas que assinam o texto, porque os referidos níveis de dívida “conduzem a uma permanente saída de recursos do país, em particular sob a forma de juros pagos ao exterior”, e resultam também em “custos mais elevados de financiamento da economia portuguesa, agravando ainda mais as dificuldades do presente”.

"[Os níveis de dívida] conduzem a uma permanente saída de recursos do país, em particular sob a forma de juros pagos ao exterior [e resultam] em custos mais elevados de financiamento da economia portuguesa, agravando ainda mais as dificuldades do presente.”

Relatório do grupo de trabalho da dívida

Reduzir a dívida externa de forma sustentada deve, pois, ser assumido como um objetivo central de política económica, a par do crescimento económico e da criação de emprego“, é pedido no texto.

O período entre o ano presente e 2020 afigura-se, dizem os signatários, como “mais exigente” para Portugal no que refere à gestão da sua dívida: “Existe ainda a necessidade de estabilizar o sistema financeiro e resolver o problema do crédito mal parado nos ativos dos bancos”, começam por assinalar os responsáveis pelo relatório.

Depois, é lembrado que os encargos líquidos com parcerias público-privadas terão atingido o “valor de 0,9% do PIB em 2016 e reduzem-se para 0,5% em 2020, caso não sejam celebrados novos contratos”.

“O peso dos juros da dívida é também máximo em 2016 e deverá começar, aos poucos, a aliviar apenas com a dinâmica do crescimento do produto e da redução do défice orçamental”, é escrito, antes de ser referido que, “no curto prazo”, são necessárias “medidas de consolidação orçamental, mas que não sejam de austeridade sobre os cidadãos e agentes económicos nacionais”.

"No curto prazo, [são necessárias] medidas de consolidação orçamental, mas que não sejam de austeridade sobre os cidadãos e agentes económicos nacionais.”

Relatório do grupo de trabalho da dívida

São também necessárias medidas de política económica e orçamental nacionais que permitam contribuir para a sustentabilidade da dívida pública, “nomeadamente que se traduzam na redução dos seus juros excessivos” e, no contexto multilateral europeu, Portugal e o seu Governo deve “pugnar por um reforço da política alargada de compra de ativos (PSPP) pelo Banco Central Europeu e por uma “reestruturação da dívida pública de países altamente endividados”.

O PS e o BE apresentam hoje no Parlamento as conclusões do relatório do Grupo de Trabalho sobre a sustentabilidade da dívida externa portuguesa, mas o Governo não se vinculará ao documento, apesar de o secretário de Estado do Orçamento, João Leão, ter integrado o grupo.

O grupo de trabalho foi criado no âmbito do acordo para a viabilização do Governo minoritário socialista, em novembro de 2015.

Francisco Louçã, antigo líder do BE, os deputados do PS João Galamba e Paulo Trigo Pereira, o líder da bancada parlamentar do Bloco, Pedro Filipe Soares, e os economistas Ricardo Cabral e Ricardo Paes Mamede são alguns dos integrantes do Grupo de Trabalho e signatários do relatório agora conhecido.

Comunistas e bloquistas têm defendido a necessidade de uma renegociação da dívida pública, mas o Executivo tem remetido esta questão para o foro europeu.

A dívida pública aumentou em fevereiro para 243.490 milhões de euros, mais 643 milhões de euros face a janeiro e mais 11.956 milhões face ao mesmo mês do ano passado, segundo o Banco de Portugal (BdP).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Relatório PS/BE pede “cenários concretos” de reestruturação da dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião