Parlamento chumba comissão de avaliação ao endividamento público e externo

  • Lusa
  • 27 Abril 2017

A comissão eventual tinha sido apresentada pelo PCP para analisar as causas do endividamento do país, mas chumbou com os votos contra do PS e a abstenção do PSD e do CDS-PP.

A comissão eventual de “avaliação do endividamento público e externo” proposta pelo PCP foi hoje chumbada no parlamento com os votos contra do PS e a abstenção do PSD e do CDS-PP.

O BE, PEV e PAN votaram a favor da iniciativa do PCP de criar uma comissão parlamentar para “analisar as causas do endividamento do país, fazer o diagnóstico da situação atual, perspetivar a evolução futura e debater as soluções para a redução substancial dos encargos com a dívida pública e externa”.

“A comissão eventual delibera sobre as diligências a efetuar para prosseguir o seu objeto e elabora um relatório conclusivo dos seus trabalhos até ao final da terceira sessão legislativa da XIII Legislatura”, propunham no texto do projeto de deliberação.

Os deputados comunistas justificaram a iniciativa com o facto de a dívida pública portuguesa ter crescido exponencialmente desde o final do século passado de 50% do Produto Interno Bruto (PIB) até 133,4% (244 mil milhões de euros) no terceiro trimestre de 2016 e de o Estado português ter pagado 50 mil milhões de euros só em juros de 2011 a 2016.

No texto do projeto de deliberação, o PCP frisou ainda que a sua primeira proposta de renegociação da dívida tem seis anos, tendo sido apresentada em 05 de abril de 2011 e “chumbada” por PS, PSD e CDS-PP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento chumba comissão de avaliação ao endividamento público e externo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião