Juros da dívida portuguesa são dos que mais caem na Europa

Logo a seguir às obrigações francesas, as yield do Tesouro português são as que mais caem na Europa. Derrapam três pontos base e situam-se agora próximas dos 3,6%, no rescaldo das eleições em França.

As taxas de juro implícitas das obrigações do Tesouro português a dez anos estão a derrapar para mínimos de novembro, com as yields a situarem-se na manhã desta segunda-feira perto dos 3,6%. É ainda uma queda de 3,23% em relação a sexta-feira e a segunda maior variação, logo a seguir às yields francesas.

Juros da dívida lusa em queda

Fonte: Bloomberg

O prémio de risco da dívida portuguesa está, assim, a acompanhar a tendência em todas as praças na Europa. O spread está a cair igualmente no que toca às obrigações inglesas, espanholas, italianas e, sobretudo, francesas. Como o ECO noticiou esta manhã, as yields do Tesouro em Paris estão a cair 11 pontos base, para perto dos 0,83%.

Esta é a reação positiva dos mercados europeus aos resultados da primeira volta das eleições presidenciais francesas, que se disputou este domingo. Os investidores estão aliviados com a passagem de Emmanuel Macron e Marine Le Pen à segunda volta a realizar no próximo dia 7 de maio, com a candidata da Frente Nacional, cuja bandeira de campanha é a saída da França da União Europeia, a ter, neste momento, poucas hipóteses de conquistar a presidência.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida portuguesa são dos que mais caem na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião