França: Yields do Tesouro aliviam para mínimos de janeiro

As yield do Tesouro francês a dez anos estão em queda na manhã pós-eleitoral. Aliviam mais de 11 pontos base, atingindo os 0,83%, mínimos de três meses.

As yields do Tesouro francês a dez anos estão a cair esta segunda-feira e alcançaram já mínimos desde janeiro. A taxa de juro das obrigações francesas no prazo a dez anos derrapam esta manhã mais de 11 pontos base em relação a sexta-feira, situando-se num valor próximo dos 0,83%.

Os mercados estão em rescaldo da noite eleitoral em França, que pôs os candidatos Emmanuel Macron e Marine Le Pen na segunda volta das eleições presidenciais. A queda mostra que os mercados estão a reagir bem aos resultados que, até agora, acompanham a tendência evidenciada pelas sondagens ainda antes da abertura das urnas.

As mais recentes sondagens davam como provável a passagem dos dois candidatos à segunda volta, com Marine Le Pen, a candidata da Frente Nacional, a surgir com poucas hipóteses de ser a próxima Presidente do país. O próximo sufrágio está marcado para dia 7 de maio.

"Este é o cenário perfeito que o mercado desesperadamente aguardava.”

Sebastien Galy

Estratego do Deutsche Bank

Segundo alguns analistas, a queda das yields do Tesouro francês surge muito graças ao afastar de um cenário que atormentava, até agora, muitos investidores: a eventual passagem do candidato comunista Jean-Luc Mélenchon com Marine Le Pen à segunda volta resultaria, eventualmente, numa vitória da candidata cuja bandeira principal é a saída da França da União Europeia.

“Este é o cenário perfeito que o mercado desesperadamente aguardava”, disse Sebastien Galy, um estratego do Deutsche Bank em Nova Iorque, em declarações à Bloomberg. Com 97,4% dos votos contados, Emmanuel Macron conquista 23,8% do eleitorado, enquanto Marine Le Pen acompanha-o de perto, garantido, para já, 21,5% dos votos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França: Yields do Tesouro aliviam para mínimos de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião