Relatório da dívida: Governo não se vincula

  • ECO
  • 28 Abril 2017

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares frisou que o Governo "não se vincula" às conclusões deste grupo de trabalho, limitando-se a tomar "boa nota" do seu conteúdo.

O Governo vai tomar “boa nota” das conclusões do grupo de trabalho criado para estudar a dívida pública portuguesa. Mas “não se vincula” às conclusões dos economistas do Partido Socialista e do Bloco de Esquerda.

Em declarações ao Diário de Notícias, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, que “acompanhou” o desenrolar dos trabalhos, explicou que o Governo “não se vincula” às conclusões deste grupo de trabalho, limitando-se a tomar “boa nota” do seu conteúdo.

Ainda assim, o Executivo promete analisar este estudo, com mais de 80 páginas, para uma eventual ação futura. Esta posição do Executivo é diferente daquilo que tem sido a prática relativamente aos outros grupos de trabalho formados entre o Partido Socialista e o Bloco de Esquerda, sublinha o Diário de Notícias.

Variação da dívida desde 1997

Valores em milhões de euros.

O relatório vai ser apresentado esta sexta-feira às 14h30, no Parlamento pelos subscritores — Francisco Louçã, João Galamba, Miguel St. Aubyn, Paulo Trigo Pereira, Pedro Filipe Soares, Pedro Gil, Ricardo Cabral e Ricardo Paes Mamede — e contará com a presença do próprio Nuno Santos.

Os economistas sugerem que o Governo tente prolongar a maturidade do empréstimo junto das autoridades europeias para 60 anos com uma redução da taxa de juro para 1%. Mas esta medida, que poupará, por ano, aos cofres do Estado 712 milhões de euros, só poderá ser conseguido através de negociação com as autoridades comunitárias. É aliás essa negociação que permitirá que essa reestruturação não seja considerada um incumprimento.

Outras das medidas propostas passam por pagar antecipadamente o resto do empréstimo ao FMI, reduzir a almofada financeira do Estado ou ainda obrigar o Banco de Portugal a reduzir provisões e assim pagar mais dividendos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Relatório da dívida: Governo não se vincula

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião