Brexit: Tusk diz que proteção dos direitos dos cidadãos é a prioridade nas negociações

  • Lusa
  • 29 Abril 2017

Presidente do Conselho apontou que “a Comissão Europeia já preparou uma lista precisa e detalhada dos direitos dos cidadãos” que a UE exige ver protegidos.

O presidente do Conselho Europeu afirmou hoje, em Bruxelas, que a proteção dos direitos dos cidadãos deve ser “a prioridade número um” nas negociações entre a UE a 27 e o Reino Unido para a concretização do ‘Brexit’.

“Precisamos de garantias sólidas para todos os cidadãos e famílias que serão afetados pelo Brexit, em ambos os lados. Esta deve ser a prioridade número um para a União Europeia e para o Reino Unido”, declarou, à chegada à sede do Conselho Europeu, onde hoje os “Vinte e Sete” vão adotar as grandes linhas orientadoras da UE para as conversações com Londres.

O presidente do Conselho apontou que “a Comissão Europeia já preparou uma lista precisa e detalhada dos direitos dos cidadãos” que a UE exige ver protegidos.

Repetindo a ideia deixada na carta-convite endereçada aos 27 chefes de Estado e de Governo da UE para o Conselho Europeu de hoje em Bruxelas, Tusk defendeu que o futuro das relações entre a UE e o Reino Unido só deve ser abordado depois de acordados os termos do “divórcio”.

“Todos queremos uma relação futura próxima e forte com Reino Unido, não há qualquer dúvida sobre isso. Mas antes de discutirmos o futuro, temos que resolver o passado. Penso que esta é a única forma de seguir em frente”, argumentou.

O presidente do Conselho Europeu vincou a necessidade de a UE a 27 “permanecer unida” ao longo das negociações, que deverão estar concluídas até meados de 2019.

“Só assim poderemos concluir as negociações, o que significa que a nossa unidade é também do interesse do Reino Unido. E, para já, sinto forte apoio de todas as instituições da UE e de todos os 27 Estados-membros. Estou confiante de que tal não vai mudar”, concluiu.

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia a 27 reúnem-se hoje numa cimeira, em Bruxelas, para adotar as orientações para as negociações com Londres em torno da saída do Reino Unido da UE, o chamado ‘Brexit’.

Com a presença do negociador-chefe da UE, Michel Barnier, a quem será posteriormente dado um mandato para conduzir as negociações em representação dos “Vinte e Sete”, os líderes europeus, entre os quais o primeiro-ministro, António Costa, vão aprovar hoje as posições e os princípios gerais da UE para as negociações que se seguem com Londres, e que deverão ser concluídas no espaço de dois anos, até 2019.

Havendo grande “sintonia” entre os 27 em torno das posições da UE para as negociações, como garantiu na quinta-feira a presidência semestral maltesa do bloco europeu, a cimeira de hoje antevê-se tranquila e deverá ser curta, tendo início agendado para as 12:30 locais (11:30 de Lisboa) e final previsto para cerca das 16:00.

Depois de os líderes dos “Vinte e Sete” aprovarem hoje as linhas diretrizes para as negociações, será elaborado um mandato para Barnier, que deverá estar pronto até 22 de maio, mas as negociações só deverão arrancar depois das eleições no Reino Unido marcadas para 08 de junho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: Tusk diz que proteção dos direitos dos cidadãos é a prioridade nas negociações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião