Efacec pode dispensar até 409 trabalhadores

  • ECO
  • 4 Maio 2017

o grupo controlado por Isabel dos Santos voltou a pedir ao Governo o estatuto de empresa em reestruturação para que, caso necessite, possa dispensar 409 trabalhadores.

A Efacec poderá ainda não ter concluído o plano de reestruturação avançado no período compreendido entre 2014 e 2016. A empresa voltou a pedir ao Governo o estatuto de “empresas em reestruturação” com o objetivo de facilitar a dispensa de até 409 trabalhadores, praticamente um quarto do número de funcionários que emprega em Portugal. Este pedido acontece numa altura em que a empresa terá voltado a ter lucros, como adiantava em entrevista ao ECO, em março, o presidente da Efacec, Ângelo Ramalho.

Na altura, Ramalho adiantava que a empresa tinha passado de um prejuízo de 20 milhões de euros em 2015, para lucros em 2016, não tendo contudo avançado o valor por ainda não ter sido realizada a assembleia geral do grupo.

As empresas abrangidas são a Efacec Energia e a Efacec Engenharia e Sistemas, escreve na edição desta manhã o Jornal de Negócios (acesso pago). Terá sido o próprio ministério da Economia, que em resposta a uma pergunta do grupo parlamentar do PCP, confirmou o pedido por parte da empresa de Isabel dos Santos.

O pedido que tem data de 9 de janeiro deste ano, acaba por ser uma extensão da concessão do estatuto de empresa em reestruturação de que a Efacec já beneficiou no período compreendido entre 2014 e 2016.

Segundo o comunicado do ministério da Economia, o plano de reestruturação da Efacec para o triénio 2017/2019 contempla “rescisões de contratos de trabalho, por mútuo acordo”. O plano engloba 291 contratos na Efacec Engenhara e Sistemas e 118 na Efacec Energia.

Contactada pelo Negócios a Efacec admitiu que “em dezembro de 2016, a Efacec submeteu às entidades competentes um requerimento de extensão da concessão do estatuto de empresa em reestruturação (atribuído para o triénio 2014-2016), que possibilita eventuais ajustes que permitam o reforço de competências da organização”. Para acrescentar: “o número de trabalhadores que a empresa tem atualmente é suficiente para responder ao atual desempenho da Efacec e suportar o crescimento orgânico do negócio que se prevê para os próximos tempos”.

Já o CEO do grupo, Ângelo Ramalho frisou que a Efacec “não pretende rescindir com 409 pessoas” mas sim utilizar o estatuto de “empresa em reestruturação” para “poder fazer rescisões até esse número limite, se e quando necessitar”. Ramalho diz mesmo que é “um guarda-chuva” legal. “A lei dá-me o benefício de poder fazer estas rescisões. Vamos utilizá-lo? O futuro o dirá”, referiu.

A propósito do plano de reestruturação da Efacec, Ramalho tinha já garantido ao ECO que “o processo é contínuo, não há propriamente um processo em que hoje se restrutura e amanhã não se passa nada”. Para logo a seguir frisar a propósito do número de colaboradores “que nem nessa matéria podemos falar de um processo fechado porque todos os dias entra e sai gente””.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Efacec pode dispensar até 409 trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião