Primeira vitória de Trump para acabar com Obamacare

  • Margarida Peixoto
  • 4 Maio 2017

Donald Trump conseguiu reunir os votos necessários para passar na Câmara dos Representantes o projeto de lei que visa substituir o Obamacare. A próxima batalha, vista como impossível, será o Senado.

Foi a primeira vitória de Donald Trump contra o Obamacare. O Presidente dos Estados Unidos conseguiu esta quinta-feira aprovar o projeto-lei que visa acabar com o sistema de saúde que tinha sido implementado pelo anterior Presidente, Barack Obama. O novo American Health Care Act foi aprovado na Câmara dos Representantes com 217 votos. Mas para chegar ao terreno ainda tem de ser validado pelo Senado, o que parece altamente improvável.

Com este projeto-lei, Trump pretende substituir o Obamacare, mas os planos para o novo sistema de saúde estão a gerar polémica, na sequência de uma série de relatórios que alertam para o risco de milhões de cidadãos ficarem sem acesso a qualquer proteção.

Esta quinta-feira, 20 republicanos votaram contra o American Health Care e nenhum democrata o apoiou, segundo a Bloomberg. Mesmo assim, a proposta de Trump passou na Câmara dominada pelos republicanos.

Poucos minutos antes da votação, Trump dava conta no Twitter da atenção com que seguia os desenvolvimentos na Câmara dos Representantes. “Estou a ver os Democratas a tentar defender o ‘pode manter o seu médico, pode manter o seu plano e o prémio [do seguro] vai descer.’ Mentira do Obamacare”, escrevia o Presidente dos Estados Unidos.

Pouco depois, mas ainda antes de serem conhecidos os resultados, anunciava: “Se vencerem, os Republicanos darão uma grande conferência de imprensa no bonito Jardim da Rosa da Casa Branca, imediatamente depois da votação.”

E, tal como prometido, Trump deu uma conferência de imprensa onde deixou clara a sua satisfação pela aprovação do diploma que promete colocar um ponto final no sistema de saúde implementado por Obama.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeira vitória de Trump para acabar com Obamacare

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião