Lucros da Altri dão trambolhão de 31,8%

  • Lusa
  • 5 Maio 2017

A queda do preço médio da tonelada de pasta de papel e os investimentos na Celtejo explicam os resultados. Ainda assim, as vendas e as exportações aumentaram.

A Altri registou lucros de 17,12 milhões de euros nos primeiros três meses de 2017, uma queda de 31,8% face aos 25 milhões de euros verificados no mesmo período de 2016.

Em comunicado enviado esta sexta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa de pasta de papel explica este resultado com o preço médio por tonelada de pasta, que nos primeiros três meses de 2017 foi inferior em 7,6% face ao período homólogo, e com os investimentos em realização da Celtejo, que afetam a eficiência da produção daquela unidade.

Entre janeiro e março, as vendas da Altri aumentaram em 8,2% para cerca de 274,3 mil toneladas e a produção 5,4% para 264,4 mil toneladas de pasta face aos mesmos meses de 2016. Já as exportações aumentaram 8% para 250,5 mil toneladas (+8%) e as receitas totais caíram 1%.

Os custos totais, excluindo amortizações, custos financeiros e impostos, atingiram os 119,7 milhões de euros (+9,2%), valor “ligeiramente acima do incremento homólogo das toneladas vendidas e que foi de 8,2%”, uma subida que é explicada “na quase totalidade” pelo impacto dos investimentos em curso na Celtejo para aumentar a eficiência operacional da unidade.

O EBITDA (resultados líquidos antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) foi de 40,1 milhões de euros no primeiro trimestre, uma queda de 32,2% em termos homólogos.

Nos primeiros três meses deste ano, a Altri fez investimentos de cerca de 25 milhões de euros, tendo no mesmo período reduzido endividamento líquido, para os 432,2 milhões de euros.

A Altri fechou esta sexta-feira a sessão a perder 1,39% para os 4,329 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da Altri dão trambolhão de 31,8%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião