Morreu António Pires de Lima, ex-bastonário da Ordem dos Advogados

  • Lusa
  • 6 Maio 2017

O estado de saúde do antigo bastonário da Ordem dos Advogados degradou-se nos últimos anos. O velório de António Pires de Lima realiza-se este domingo.

António Pires de Lima, 80 anos, morreu ao início da tarde deste sábado, no Hospital da Luz, em Lisboa, onde se encontrava internado desde o início da semana, disse à Lusa fonte familiar. O antigo bastonário da Ordem dos Advogados (OA), cuja saúde se degradara nos últimos anos, morreu rodeado da família, acrescentou a mesma fonte.

O velório de António Pires de Lima realiza-se a partir das 14h00 de domingo na igreja dos Santos Reis Magos, ao Campo Grande, em Lisboa. Na segunda-feira, às 13h00, haverá missa de corpo presente na igreja, realizando-se de seguida o funeral para o cemitério do Alto de S. João, em cujo crematório o corpo será cremado, às 15h00.

António Pires de Lima nasceu em 30 de Outubro de 1936 na freguesia de Santa Maria Maior, concelho de Barcelos, distrito de Braga.

Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em 1958, António Pires de Lima era casado e pai de quatro filhos e foi bastonário da OA no triénio 1999/2001.

Advogado em regime de profissão liberal, foi consultor jurídico em vários organismos e sociedades e mediou arbitragens de âmbito internacional. Foi também membro do Tribunal Arbitral.

Entre as condecorações e louvores que obteve contam-se a das medalhas das campanhas em Angola em 1966/68, onde cumpriu serviço militar obrigatório entre 1957/59 e para onde foi reincorporado em 1960/61 e 1966/68, e a medalha de Benemerência da Cruz Vermelha Portuguesa.

Comenda de Mérito Civil Espanha e a Comenda de Número da Ordem Isabel a Católica foram outras das condecorações atribuídas a António Pires de Lima.

Foi ainda membro do Conselho Distrital e vice-presidente do conselho geral da OA e do Conselho Nacional de Profissões Liberais, membro da Junta Directiva da Câmara do Comércio e Indústria Luso-Espanhola, e vice-presidente da Cruz Vermelha Portuguesa, entre outros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Morreu António Pires de Lima, ex-bastonário da Ordem dos Advogados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião