CGD: Divulgar grandes devedores tem “efeitos extremamente perniciosos”

A Relação chumbou os recursos apresentados pela CGD, CMVM e Banco de Portugal, por considerar que foram apresentados fora do prazo. As três entidades discordam.

O Tribunal da Relação de Lisboa chumbou, na semana passada, os pedidos de recurso apresentados pela Caixa Geral de Depósitos (CGD), Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e Banco de Portugal, junto do Supremo Tribunal de Justiça, relativos ao levantamento do sigilo profissional. A CGD não aceita esta decisão e já apresentou uma reclamação ao Supremo Tribunal, argumentando que a divulgação dos maiores devedores do banco público “tem efeitos extremamente perniciosos”.

A informação é avançada, esta segunda-feira, pelo Jornal Económico, que teve acesso à reclamação.

“O Acórdão 17/01/2017 tem efeitos extremamente perniciosos para a instituição, para o sistema financeiro em geral e para os seus clientes, não se pode conformar com a Decisão em causa, e por estas razões já preparou e vai interpor a competente Reclamação, para o Supremo Tribunal de Justiça, dentro do prazo em curso, como a lei faculta, aguardando-se a ulterior Decisão do mais alto Tribunal”, pode ler-se na exposição a que o Jornal Económico teve acesso.

Foi a 17 de janeiro que o Tribunal da Relação decidiu autorizar o levantamento do sigilo profissional da CGD, CMVM e Banco de Portugal, que tinha sido requerido no âmbito da comissão de inquérito parlamentar à recapitalização do banco público. Um mês depois, estas três entidades recorreram da decisão junto do Supremo Tribunal. Contudo, os recursos foram apresentados fora do prazo.

“Independentemente da questão da recorribilidade da decisão para o Supremo Tribunal de Justiça, os requerimentos de recurso mostram-se interpostos fora de prazo“, pode ler-se na decisão do Tribunal da Relação, divulgada na semana passada. “Os recorrentes interpuseram os recursos ultrapassando, em muito, o prazo de 15 dias que, em nosso entender, se impunha para o efeito”, acrescenta a nota.

Além da CGD, também o Banco de Portugal e a CMVM rejeitam a decisão da Relação, tendo já anunciado que vão impugná-la, por considerarem que os recursos foram apresentados dentro do prazo estabelecido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD: Divulgar grandes devedores tem “efeitos extremamente perniciosos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião