“FIFA não está preparada para uma instituição independente”

Miguel Poiares Maduro foi afastado do Comité de Governação da FIFA. Ao ECO, afirma que sofreu mais pressões do que nunca, mas salvaguarda o presidente da FPF.

Um ano depois de tomar posse, Miguel Poiares Maduro vai deixar o Comité de Governação e Controlo da FIFA. Em declarações ao ECO, o professor do Instituto Universitário Europeu, em Florença, admite que a FIFA “não está preparada para uma instituição independente”, mas salvaguarda um nome: Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol.

O ex-ministro não especula sobre as razões concretas que levaram à sua exclusão, como de outros membros do comité, para um novo mandato de quatro anos. Mas são públicos os casos de intervenção deste novo comité – criado precisamente para garantir a transparência e governação da FIFA e das confederações dos países -, o último dos quais o pedido de demissão de um alto oficial da FIFA, o Sheikh Ahmad al Fahad al-Sabah (Kuwait) por suspeitas de corrupção.

“Nunca sofri tantas pressões na política ou nos tribunais como as que vivi aqui, nesta função. Mas devo dizer que o presidente da FPF, Fernando Gomes, comportou-se sempre de forma íntegra e com uma cultura de respeito pelas entidades independentes”, afirmou Miguel Poiares Maduro ao ECO.

O professor universitário admite que sabia “as dificuldades que poderia enfrentar um comité genuinamente independente, nomeadamente uma tensão com as confederações de futebol”. Além disso, também porque este primeiro mandato dos membros do Comité de Governação seria de apenas um ano, porque foi eleito no congresso extraordinário da FIFA que elegeu o suíço Gianni Infantino como novo presidente da instituição. “Mas, da parte do presidente da FPF, mesmo em casos mais controversos, nunca fui pressionado e houve sempre uma correção e integridade”.

O Conselho da FIFA anunciado esta terça-feira o indiano Justice Mukul Mudgal como candidato ao cargo, para substituir Miguel Poiares Maduro, que soube esta terça-feira oficialmente que não seria reconduzido.

Reunido em Manama, a preparar o Congresso de 11 de maio, o Conselho da FIFA anunciou os nomes para vários comités, destacando-se, também, as mudanças na liderança das duas secções do Comité de Ética.

Principais figuras da investigação ao caso de corrupção na FIFA, o alemão Hans Joachim Eckert (secção de julgamento) e o suíço Cornel Borbely (instrução) serão substituídos pelo grego Vassilios Skouris e pela colombiana Maria Claudia Rojas, respetivamente.

Em comunicado, Eckert e Borbely já criticaram esta decisão da FIFA, considerando que a não recondução no cargo tem motivações políticas e põe “um fim nos esforços de reforma” do organismo, que poderá mesmo pôr o seu futuro em causa.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“FIFA não está preparada para uma instituição independente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião