Indicador avançado da economia portuguesa prevê abrandamento

No final do ano passado a economia portuguesa surpreendeu pela positiva, mas um indicador avançado da OCDE prevê uma tendência de abrandamento no final de 2017.

O indicador avançado da OCDE para Portugal continuou a descer em março, abaixo da linha dos 100 pontos que representa a atividade económica normal. O ciclo económico continua a subir, mas a previsão da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico é que a economia portuguesa vai abrandar entre os próximos seis e nove meses. Estes números indicam que no final de 2017 a economia deve estar a crescer menos do que o normal, perdendo o gás do último trimestre do ano passado.

Linha a cheio é o indicador compósito. Linha a tracejado é referência da série.

O cálculo da OCDE para o indicador avançado conjuga vários indicadores económicos, os mesmo usados para calcular o ciclo económico. Contudo, no indicador avançado, a OCDE antecipa qual vai ser o comportamento da economia daqui a seis meses, prevendo tendências. Para Portugal essa tendência é de abrandamento face a um ciclo económico que continua ainda pujante.

Entre esses indicadores económicos estão os inventários, as encomendas, os mercados financeiros, a confiança dos consumidores e, em economias mais pequenas, indicadores de setores mais específicos.

A ganhar ‘momentum’ estão as economias emergentes como o Brasil — que tem enfrentado recessões, mas este ano prevê crescer 0% — e a Rússia. Também é esperada uma aceleração do crescimento económico na Alemanha e no Canadá. Já nos Estados Unidos, no Japão, no Reino Unido e na zona euro (principalmente França e Itália) espera-se que o PIB continua a crescer de forma estável. Também estável ficará o crescimento económico nas duas economias que mais crescem ao ano, Índia e China.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Indicador avançado da economia portuguesa prevê abrandamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião