Altice alcança receitas de 573 milhões em Portugal

Grupo francês que detêm a Meo aumentou receitas em Portugal no primeiro trimestre, a "caminho de se tornar na principal operadora de fibra ótica" no país, atingindo 3,2 milhões de lares portugueses.

A Altice, que detém a operadora Meo, aumentou ligeiramente as receitas em Portugal no primeiro trimestre do ano. Atingiu um volume de negócios de 573 milhões de euros, um crescimento de 0,2% face ao mesmo período do ano passado, numa altura em que diz que vai a caminho de se tornar na principal operadora de fibra ótica” no mercado nacional, atingindo já 3,2 milhões de lares portugueses.

Este desempenho contraria aquilo que tem sido a performance do grupo em Portugal nos últimos dois anos. Tanto em 2015 como em 2016, a Altice viu as receitas cair 7,3% e 1,5%, respetivamente. Excluindo impactos regulatórios, as receitas aumentaram 0,9%.

O grupo destaca o aumento no segmento da fibra ótica, que “continua a acelerar suportado pela expansão da rede de fibra”. No final de março, a Altice estava na casa de 3,2 milhões de famílias portuguesas, face ao objetivo de quatro milhões de lares fixado até final do ano.

Ainda assim, o resultado operacional continua a evidenciar dificuldades da Altice em estabilizar o negócio no mercado nacional. O EBITDA ajustado — lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações — caiu 5,1% nos três primeiros meses do ano, para os 263 milhões de euros.

Em termos globais, o grupo francês, que conta ainda com presenças em mercados como os EUA e Israel, alcançou receitas de 5,9 mil milhões de euros nos três primeiros meses do ano, um aumento de 3,2%.

Já o EBITDA ajustado cresceu 9,5% para os 2,24 mil milhões de euros, suportado pela recuperação do negócio em França, onde detém a SFR Group, e ainda pela expansão do negócio de cabo nos EUA.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Altice alcança receitas de 573 milhões em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião